Justiça Federal indicia 4 policiais por morte de George Floyd

Novo processo acusa agentes de violar direitos constitucionais

Os quatro policiais vão responder também a um processo federal pela morte de Floyd
Os quatro policiais vão responder também a um processo federal pela morte de Floyd (foto: EPA)
15:39, 08 MaiWASHINGTON ZGT

(ANSA) - Um júri da Justiça Federal dos Estados Unidos indiciou nesta sexta-feira (7) os quatro policiais que participaram da abordagem que terminou com a morte de George Floyd, em maio do ano passado. Todos precisarão responder por violação dos direitos constitucionais e por não dar assistência médica.

Derek Chauvin, já condenado em abril pela Justiça Estadual de Minnesota pelo assassinato, Thomas Lane, J. Alexander Kueng e Tou Thao foram indiciados formalmente. Os três últimos serão julgados em Minnesota no mês de agosto por ajudar e favorecer um homicídio em segundo grau (assassinato intencional, mas não premeditado).

Chauvin, Kueng e Thao ainda vão responder, em esfera federal, por uso de força excessiva e por terem provocado uma convulsão em Floyd durante a abordagem, pouco antes dele morrer.

Os quatro agentes se envolveram, de maneira ativa ou passiva, na morte de Floyd em uma rua de Minneapolis em 25 de maio de 2020.

Toda a ação foi filmada por diversas testemunhas e mostram que Chauvin ficou por mais de oito minutos com seu joelho no pescoço da vítima.

Os policiais haviam sido chamados porque Floyd tentou passar uma nota falsa de US$ 20 para comprar cigarros. Uma das testemunhas, que atendeu o homem na loja, disse acreditar que ele não sabia que a nota não era original e que Floyd foi cordial todo o tempo.

No entanto, a ação dos agentes contra o homem negro causou uma série de grandes protestos por todo o país e levantou o debate sobre o racismo na sociedade e, especialmente, de agentes públicos contra a população negra.

Chauvin está preso desde a condenação do júri e aguarda o anúncio da pena, mas a pena total pelos três crimes a que foi condenado pode somar 75 anos de detenção. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA