Itália e UE ajudarão Tunísia no controle do fluxo de migrantes

Representantes participaram de reunião em Túnis

Reuniões na Tunísia têm como missão formar um acordo entre UE e governo local
Reuniões na Tunísia têm como missão formar um acordo entre UE e governo local (foto: EPA)
11:47, 21 MaiROMA ZGT

(ANSA) - A ministra do Interior da Itália, Luciana Lamorgese, e a comissária europeia para Assuntos Internos, Ylva Johansson, anunciaram nesta quinta-feira (20) que ajudarão o governo da Tunísia a controlar o fluxo de migrantes que saem do país em direção à Europa.

"Manifestei ao presidente [Kais] Saied e ao premiê [Hichem] Mechichi a proximidade da Itália e da União Europeia, que pretendem continuar a serem partes muito ativas na ajuda concreta à Tunísia para enfrentar desafios muito complexos, sendo a principal aquela que atinge o futuro dos jovens desse país que legitimamente aspiram, como seus conterrâneos europeus, condições satisfatórias de trabalho e vida", disse Lamorgese ao fim de uma reunião em Túnis.

A reunião dessa quinta-feira é a segunda missão ao país, de maneira conjunta entre a Itália e o bloco, e que tem como objetivo formar as bases de um acordo total de parceria estratégica com o governo tunisiano. Entre os objetivos principais, estão o controle do fluxo de migrantes irregulares, o combate à rede criminosa que explora o tráfico de seres humanos, além da ajuda ao desenvolvimento da economia legal do país, que sofre com uma crise sem precedentes.

"Com a comissária Johansson, nós encaramos essa segunda missão para poder, finalmente, rastrear junto às autoridades tunisianas as grandes diretrizes políticas ao longo das quais poderemos desenvolver uma parceria estratégica entre a União Europeia e a Tunísia", destacou.

A Itália vem enfrentando um novo aumento na chegada de migrantes pelo Mar Mediterrâneo em 2021, com números até três vezes mais altos do que os registrados no ano passado e até 10 vezes maiores do que em 2019.

Conforme o boletim divulgado pelo Ministério do Interior nesta sexta-feira (21), o país já recebeu 13.359 deslocados internacionais. No mesmo período em 2020, eram 4.442 e, em 2019, eram 1.295.

A Tunísia corresponde à segunda maior nacionalidade de migrantes que chegam de maneira ilegal ao país, com 1.789 em 2021, ficando atrás apenas de Bangladesh (2.283). (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA