China rebate Otan e acusa aliança de 'criar confrontos'

Organização definiu o país como ameaça pela primeira vez

Joe Biden durante cúpula da Otan em Bruxelas, na Bélgica
Joe Biden durante cúpula da Otan em Bruxelas, na Bélgica (foto: EPA)
13:06, 15 JunPEQUIM ZLR

(ANSA) - A China criticou a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) nesta terça-feira (15) e disse que a aliança militar tenta "criar confrontos".

O posicionamento chega um dia após a reunião de cúpula da Otan em Bruxelas, na Bélgica, durante a qual os Estados-membros adotaram uma inédita abordagem comum sobre a China, afirmando que "suas ambições e seu comportamento assertivo representam uma ameaça sistêmica à ordem internacional".

Por meio de uma nota, a Embaixada chinesa na União Europeia acusou a aliança militar de "criar confrontos" e pediu que seus membros enxerguem o desenvolvimento do país de forma "racional".

Além disso, a sede diplomática pediu para a Otan "parar de exagerar as diferentes formas de 'teoria da ameaça chinesa'" e "não usar os legítimos interesses e os direitos legais" do país como "desculpa para manipular a política do grupo".

Na nota, a embaixada afirma que as acusações da Otan são uma "calúnia contra o desenvolvimento pacífico da China" e a "continuação de uma mentalidade da Guerra Fria".

No dia anterior, Pequim já havia criticado o G7, que se reunira no fim de semana no Reino Unido, por conta dos questionamentos sobre a origem da pandemia de Covid-19 e a repressão contra muçulmanos em Xinjiang e movimentos pró-democracia em Hong Kong.

A união dos organismos ocidentais contra a China é capitaneada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que está na Europa para sua primeira viagem internacional no cargo. O próprio Biden já indicou que considera o país mais populoso do mundo como uma ameaça maior que a Rússia, que sempre foi a principal antagonista dos EUA.

Os países europeus, no entanto, adotam uma postura mais ambivalente, embora tenham acatado o novo tom da Otan contra Pequim.

"A China tem um papel cada vez maior, assim como toda a região indo-pacífica. Obviamente, tem a ver com o fato de que os Estados Unidos e alguns parceiros da Otan são banhados pelo Pacífico", disse na última segunda (14) a chanceler alemã, Angela Merkel.

Diversos países da Europa devem receber investimentos bilionários de Pequim, especialmente no âmbito da "Iniciativa do Cinturão e Rota", projeto de infraestrutura apelidado de "nova rota da seda". (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA