França vai aplicar 3ª dose nos 'mais frágeis' em setembro

País também vai parar de oferecer testes anti-Covid gratuitos

País vai, além de dar a terceira dose, endurecer regras anti-Covid
País vai, além de dar a terceira dose, endurecer regras anti-Covid (foto: EPA)
13:52, 11 AgoPARIS ZGT

(ANSA) - A França vai aplicar a terceira dose das vacinas anti-Covid na população "mais frágil" a partir do mês de setembro, anunciou o porta-voz do governo, Gabriel Attal, após uma reunião ministerial nesta quarta-feira (11).

A decisão, que já havia sido antecipada, contraria o pedido da Organização Mundial de Saúde (OMS) para que os países ricos ajudem a vacinar contra o coronavírus Sars-CoV-2 parte da população das nações mais pobres.

Conforme dados da própria OMS, os ricos já têm mais de 50% de suas populações-alvo imunizadas, enquanto os africanos, por exemplo, tem apenas 2% dos moradores totalmente protegidos.

Além das vacinas, Attal destacou que o encontro determinou outros pontos importantes no combate à Covid-19, como os controles nas fronteiras "ainda mais drásticos". Entre as medidas anunciadas, "100% dos viajantes que venham de países em risco serão submetidos a exames".

O representante ainda informou que, a partir da metade de outubro, os testes para detectar a doença, sejam os RT-PCR ou os rápidos, não serão mais oferecidos gratuitamente pelo governo.

"Os testes não protegem ninguém e os testes repetidos não conseguem impedir que você vá para o hospital", pontuou.

De acordo com os dados do portal Our World in Data, a França tem cerca de 65,5% da população em processo de vacinação, sendo que 50,5% estão completamente imunizados. O site da Universidade Johns Hopkins mostra que o país contabiliza, desde o início da pandemia, 6,4 milhões de casos e 112,5 mil mortes. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA