Presidente afegão diz ter fugido para evitar 'banho de sangue'

Ghani deixou o país após o Talibã assumir o controle de Cabul

Ghani deixou o país após o Talibã assumir o controle de Cabul
Ghani deixou o país após o Talibã assumir o controle de Cabul (foto: EPA)
18:39, 15 AgoROMA ZCC

(ANSA) - O presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, afirmou na tarde deste domingo (15) que fugiu de seu país para evitar "um banho de sangue", após o grupo fundamentalista islâmico Talibã assumir o controle de Cabul e de boa parte do território afegão.

Ghani, que não confirmou para onde foi, disse que "incontáveis patriotas seriam martirizados e a cidade de Cabul seria destruída" se ele permanecesse no país. De acordo com a imprensa local ele teria ido para o Tajiquistão.

"O talibã venceu... e agora são responsáveis pela honra, propriedade e autopreservação de seus compatriotas", disse o mandatário em um comunicado publicado no Facebook.

O presidente afegão deixou o país, entregando efetivamente o poder aos rebeldes, que entraram em Cabul nesta manhã após conquistar a maior parte das capitais de províncias do Afeganistão.

Segundo Ghani, os talibãs "não ganharam a legitimidade dos corações" e "agora terão que enfrentar um novo teste histórico".

"Nunca na história o poder seco deu legitimidade a ninguém e não dará a eles. Eles estão agora a enfrentar um novo teste histórico; ou vão proteger o nome e a honra do Afeganistão ou vão priorizar outros locais e redes", escreveu o líder afegão.

Imagens divulgadas nas redes sociais mostram que o grupo extremista já hasteou sua bandeira no palácio presidencial em Cabul. Com letras pretas indicando o testemunho de fé mulçumana, a bandeira havia sido usada pelo Talibã quando assumiu o poder na década de 1990 para anunciar o nascimento do Emirado Islâmico do Afeganistão pela primeira vez.

Mais cedo, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, disse que nenhum país deverá reconhecer o Talibã como governo do Afeganistão.

"Não queremos que ninguém reconheça bilateralmente o Talibã", disse Johnson em um pronunciamento em vídeo, ressaltando que está claro que o país asiático terá os insurgentes no poder.

O britânico explicou que é preciso uma "posição unidade" da comunidade internacional para dialogar com o Talibã. "Queremos uma posição unida entre os que pensam da mesma forma, o tanto quanto pudermos", disse.

Conforme publicação da Sky News, o Conselho de Segurança da ONU se reunirá nesta segunda-feira (16) para discutir a situação no país. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA