Reino Unido anuncia sanções contra 7 russos por caso Navalny

Há um ano, opositor russo era envenenado na Sibéria

Navalny está preso desde que retornou a Moscou, em janeiro deste ano
Navalny está preso desde que retornou a Moscou, em janeiro deste ano (foto: EPA)
15:09, 20 AgoLONDRES ZGT

(ANSA) - O Reino Unido anunciou nesta sexta-feira (20) sanções contra sete funcionários do governo da Rússia por "envolvimento direto" no envenenamento do opositor Alexei Navalny, ocorrido há exatamente um ano antes de um voo do advogado entre a Sibéria e Moscou.

Em nota oficial, o ministro das Relações Exteriores, Dominic Raab, afirma que os britânicos estão "na primeira fila da resposta internacional a esse ato assustador" e que o governo de Boris Johnson quer "mandar um recado claro ao Estado russo sobre o fato de que quem usa armas químicas, está violando o direito internacional".

Raab ainda voltou a exigir "uma investigação penal transparente" sobre o caso Navalny e cobra que Moscou declare publicamente "qual é o seu estoque de agentes tóxicos do tipo Novichock".

Navalny foi vítima de um envenenamento por uma substância química do grupo Novichock, amplamente usada pelo regime soviético na década de 1980, quando deixava a Sibéria e passou mal durante o voo.

Os pilotos fizeram um pouso de emergência e, após ser hospitalizado, os médicos russos disseram que o advogado havia sido envenenado. No dia seguinte, porém, eles voltaram atrás e falaram de uma intoxicação por um produto químico que existe em copos de isopor - Navalny havia tomado um chá no aeroporto.

Cerca de 48 horas após sua internação, a família conseguiu transferi-lo para o hospital Charitè, em Berlim, onde ele ficou em tratamento até o fim de setembro. Porém, ele ficou no país até a metade de janeiro desse ano por recomendação médica.

Ao retornar a Moscou, o opositor foi preso ainda dentro do avião por ter "violado" uma regra de sua pena condicional ao não comparecer a uma audiência convocada de última hora no fim de dezembro. O advogado não compareceu por estar em tratamento médico em Berlim.

Desde então, ele está preso e teve a pena suspensa convertida em presencial. Ele chegou a fazer uma greve de fome, encerrada após Navalny poder receber atendimento de médicos de fora do presídio.

A situação de Navalny causou diversas sanções também da União Europeia e dos Estados Unidos, que consideram o opositor um preso político. Nesta sexta, inclusive, a detenção foi um dos temas da reunião entre o presidente da Rússia, Vladimir Putin, e a chanceler alemã, Angela Merkel, em Moscou.

Enquanto a alemã cobrou a libertação de Navalny, Putin voltou a dizer que ele não está preso "por razões políticas", mas por violar a lei. O mandatário russo sempre negou qualquer envolvimento do governo e chegou a acusar o advogado de se envenenar para atingir Putin.

EUA anuncia sanções

Os Estados Unidos anunciaram novas sanções contra nove cidadãos russos e dois centros de pesquisa de Moscou por conta do envenenamento de Navalny, anunciou Washington.

Segundo o governo, os afetados estão por trás da ação que quase terminou com a morte do advogado e que ocorreu há exato um ano.(ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA