Ataque com arco e flecha deixa mortos e feridos na Noruega

Polícia disse que várias pessoas morreram e ficaram feridas
Polícia disse que várias pessoas morreram e ficaram feridas (foto: Reprodução / Twitter)
19:53, 13 OutOSLO ZCC

(ANSA) - Um homem armado com um arco e flecha atacou diversas pessoas em Kongsberg, no sudeste da Noruega, nesta quarta-feira (13), anunciou a polícia local. Um homem suspeito de cometer o crime foi detido.

De acordo com as autoridades norueguesas, pelo menos cinco pessoas morreram e outras duas ficaram feridas e foram hospitalizadas. As identidades das vítimas não foram divulgadas, mas os familiares já foram notificados. 

A polícia também não forneceu detalhes sobre o suspeito, exceto que ele é um homem que foi levado para uma delegacia na cidade vizinha de Drammen. Segundo as informações preliminares, o criminoso teria agido sozinho.

"Não há busca ativa para encontrar outras pessoas", declarou o agente Oyvind Aas em entrevista coletiva. A polícia não descarta que o ataque teve motivação terrorista.

O jornal norueguês "Aftenposten" divulgou relatos de testemunhas, que contaram que uma pessoa armada com arco e flecha começou a disparar nas proximidades de um supermercado. Uma vítima teria sido atingida, e a polícia ordenou a saída de um grupo de pessoas que estavam no estabelecimento.

Toda a área no centro de Kongsberg foi isolada pela polícia. Um esquadrão antibomba foi acionado e enviado para a região. Vários distritos foram isolados e os residentes foram alertados para ficar em suas residências.

Imagens divulgadas pela TV norueguesa mostram uma grande operação policial, diversas ambulâncias e um helicóptero na área. A emissora pública NRK compartilhou em seu site uma imagem enviada por uma testemunha, na qual é possível ver uma flecha presa firmemente em uma parede.

No passado, a Noruega foi alvo de ataques de militantes de extrema direita. Em 22 de julho de 2011, Anders Behring Breivik matou 77 pessoas ao detonar uma bomba perto da sede do governo em Oslo, antes de abrir fogo contra uma manifestação de jovens trabalhistas na Ilha de Utoya. Em agosto de 2019, Philip Manshaus também atirou em uma mesquita perto da capital, antes de ser oprimido pelos fiéis que o impediram de causar graves consequências. 

Reação -

O primeiro-ministro eleito da Noruega, Jonas Gahr Stoere, lamentou o ataque e definiu o ato como “cruel e brutal”.

“Fui informado pela ministra da Justiça, Monica Maeland, sobre o que aconteceu. O meu pensamento e a minha mais profunda solidariedade vão agora para as pessoas afetadas, as suas famílias e a polícia, além dos profissionais de saúde e equipes de resgate que agora estão trabalhando incansavelmente”, disse ele à agência norueguesa NTB, citada pela TV NRK.

Já a primeira-ministra em exercício, Erna Solberg, chamou o ataque de "horrível". Uma coletiva de imprensa será realizada pela polícia nesta quinta-feira (14) de manhã. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA