Magdalena Andersson pode se tornar 1ª mulher a governar Suécia

Economista foi eleita nova líder do Partido Social-Democrata

Magdalena Andersson poderá entrar para a história da Suécia
Magdalena Andersson poderá entrar para a história da Suécia (foto: EPA)
15:08, 04 NovESTOCOLMO ZRS

(ANSA) - A ministra das Finanças da Suécia, Magdalena Andersson, foi eleita como a nova líder do Partido Social-Democrata e deve se tornar a primeira mulher a assumir o cargo de premiê do país escandinavo.

Aos 54 anos de idade, Andersson assumirá a vaga deixada por Stefan Löfven, que renunciou ao cargo após perder um voto de confiança no parlamento.

A economista e ex-nadadora, que era candidata única para a função, foi eleita para liderar o partido de forma unânime em um congresso realizado em Gotemburgo.

"Concordei em me tornar presidente do partido porque sei que a Suécia pode fazer melhor e também porque somos nós, os sociais-democratas, que temos as soluções para os problemas que o país enfrenta", comentou Andersson em um comunicado.

 Löfven, que ainda é primeiro-ministro interino da Suécia, ainda não informou a data exata de sua renúncia. Após isso, o processo parlamentar da possível eleição de Andersson será desencadeado.

Caso consiga garantir o cargo mais alto da Suécia, Andersson será responsável por conduzir seu partido nas próximas eleições gerais da nação, marcadas para setembro de 2022. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA