Foto de Johnson em encontro durante lockdown agrava crise

Foto de Johnson em encontro durante lockdown agrava crise
Foto de Johnson em encontro durante lockdown agrava crise (foto: EPA)
21:01, 21 DezLONDRES ZCC

(ANSA) - A tensão entre a oposição trabalhista e o governo conservador do Reino Unido continua aumentando após uma foto publicada pelo jornal "The Guardian" mostrar o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, em um encontro com a mulher e mais de 10 funcionários em 15 de maio de 2020, período de confinamento por conta da pandemia de Covid-19.

A imagem mostra Johnson e o grupo bebendo vinho no jardim de sua residência em Downing Street durante um lockdown no ano passado. No entanto, o governo britânico negou que a imagem não mostra uma festa.

A afirmação foi feita pelo vice primeiro-ministro do Reino Unido, Dominic Raab, à Times Radio nesta segunda-feira (20).

"Beber depois de um árduo dia de trabalho não era proibido", disse ele, insistindo que as imagens não revelam qualquer violação das regras em vigor na época.

A foto, publicada pelo Guardian, mostra Johnson com sua esposa, Carrie, que parece estar segurando seu filho recém-nascido, além de duas outras pessoas em uma mesa em um terraço no jardim da Downing Street.

De acordo com Raab, o premiê britânico "usa aquele jardim como local de trabalho" e "isso não é contra os regulamentos". "Eu realmente não acho que seja classificado como uma festa", disse.

O registro aumenta uma polêmica envolvendo o político neste mês, quando fontes revelaram à imprensa do Reino Unido que eventos sociais ocorreram na sede do governo enquanto a população era recomendada a ficar em casa.

Johnson, porém, alega que a foto mostra uma "reunião de trabalho", apesar dos queijos, vinhos e massas servidos aos presentes.

O líder da Oposição Trabalhista, Keir Starmer, voltou ao ataque alegando que a história - a última de uma série de episódios semelhantes relatados mais de um ano depois sobre a equipe de Downing Street - "levanta questões".

Segundo Starmer, para definir este encontro como "uma reunião de trabalho", como fazem os representantes do governo, parece "um tanto forçado". "Parece bastante óbvio para todos que foi, no mínimo, um evento social realizado enquanto os cidadãos britânicos comuns ainda não podiam comparecer livremente nem mesmo aos funerais de seus entes queridos", acrescentou o opositor.

Novas medidas -

Em meio à polêmica, o premiê disse que não hesitará em introduzir novas medidas para combater a variante Ômicron na Inglaterra. No entanto, ao menos por enquanto, as restrições atuais não serão reforçadas.

Segundo Johnson, o governo pretende manter os dados sobre o aumento da variante sob "controle constante", "hora a hora", e não descarta nada nos próximos dias.

O político destacou, após conselho de ministros, como a situação é "extremamente difícil", com um aumento particularmente pronunciado nas hospitalizações em Londres. Além disso, ele recomendou cautela aos britânicos, encorajando-os mais uma vez a se vacinarem.

No último período de 24 horas, o país registrou 91.743 casos de Covid-19, um aumento significativo em decorrência da propagação da Ômicron. Este é o segundo maior número de contágios diários desde o início da pandemia.

O boletim das autoridades sanitárias mostram ainda que 44 pessoas morreram em um dia. De acordo com o governo britânico, 12 cidadãos faleceram em decorrência da nova variante e há 104 hospitalizados. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA