Supremo dos EUA veta obrigatoriedade de vacinação em grandes empresas

Apenas foi mantida a exigência para operadores de saúde

Vacinação só será obrigatória para profissionais de saúde que trabalhem em institutos que recebam verba federal
Vacinação só será obrigatória para profissionais de saúde que trabalhem em institutos que recebam verba federal (foto: ANSA)
18:18, 13 JanWASHINGTON ZGT

(ANSA) - A Suprema Corte dos Estados Unidos bloqueou nesta quinta-feira (13) a obrigatoriedade de vacinação ou de testes para detectar a Covid-19 de funcionários de grandes empresas, determinada pelo governo de Joe Biden.

Por 6 votos a 3, a medida foi rejeitada porque, segundo os magistrados, é preciso que o Congresso autorize tal medida, não podendo ser apenas a decisão da Presidência.

No entanto, em uma segunda votação, foi mantida a obrigatoriedade de vacinação para operadores de saúde que trabalham em estruturas médicas que recebam fundos federais.

Nesse caso a medida foi aprovada por 5 a 4, com dois magistrados conservadores, o presidente John G. Roberts e o juiz Brett M. Kavanaugh, se unindo aos progressistas.

A ordem de Biden foi emitida em novembro e atingia as empresas com mais de 100 funcionários, sendo uma das principais formas de tentar aumentar o índice de imunização do país, estagnado na casa dos 70%.

Quem não quisesse se vacinar, precisaria realizar testes para mostrar que estava negativo para a Covid-19. A medida valeria a partir de 4 de janeiro e atingia cerca de 80 milhões de cidadãos. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA