Zelensky diz que está pronto para falar com Putin

Presidente da Ucrânia deu entrevista a canal italiano

Zelensky concede entrevista a talk show italiano
Zelensky concede entrevista a talk show italiano (foto: ANSA)
13:10, 12 MaiROMA ZLR

(ANSA) - O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, afirmou nesta quinta-feira (12) que está pronto para negociar com o mandatário da Rússia, Vladimir Putin, mas desde que não haja "ultimatos".

Em entrevista ao talk show italiano "Porta a Porta", da emissora Rai, Zelensky reconheceu que as negociações com Moscou "se complicam a cada dia" porque os russos estão ocupando novos vilarejos e "muitas pessoas fugiram de suas casas ou foram assassinadas".

"Isso complica muito a possibilidade de conduzir tratativas. Queremos que entendam que nossa sociedade é muito pacífica, queremos negociar há oito anos. Eu estou pronto para falar com Putin, mas sem ultimatos", disse o presidente.

As negociações para um cessar-fogo estão travadas desde o fim de março, quando a Ucrânia se comprometeu a não ingressar na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), mas desde que tivesse caminho livre para entrar na União Europeia e garantias de segurança por parte de potências internacionais.

Os dois países, no entanto, ainda não avançaram nas conversas sobre o destino da península da Crimeia, anexada pela Rússia em 2014, e do Donbass, zona do leste ucraniano onde ficam as regiões separatistas de Donetsk e Lugansk.

Moscou exige o reconhecimento da soberania de todo o Donbass e da anexação da Crimeia, mas a Ucrânia defende a manutenção de sua integridade territorial. "Nunca falei em reconhecer a independência da Crimeia, jamais a reconheceremos como parte da Federação Russa", declarou Zelensky ao "Porta a Porta".

O presidente ainda disse considerar "injusto" pedir para Kiev "ceder alguma coisa para salvar a pele" de Putin, inclusive territórios. "Os russos devem ir embora e responder por aquilo que fizeram. Não podemos comprometer nossa independência. A Ucrânia quer a paz e coisas muito normais, como o respeito de sua soberania, de sua integridade territorial, das tradições populares e da língua", ressaltou.

A invasão russa começou em 24 de fevereiro, e as tropas de Moscou hoje se concentram na tomada do inteiro Donbass, após uma tentativa fracassada de conquistar a capital Kiev nas primeiras semanas de guerra. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA