Supremacista branco mata 10 pessoas em atentado nos EUA

Biden chamou o ataque de 'ato de terrorismo interno'

Local de atentado terrorista em Buffalo, no estado de Nova York
Local de atentado terrorista em Buffalo, no estado de Nova York (foto: EPA)
12:03, 15 MaiNOVA YORK ZLR

(ANSA) - Um supremacista branco matou 10 pessoas e feriu outras três em um atentado terrorista em um mercado de Buffalo, nos Estados Unidos, neste sábado (14).

Payton Gendron, de 18 anos de idade, abriu fogo na entrada e dentro da loja e depois foi preso pela polícia, que diz ter evidências de que o ataque foi "ditado por motivações raciais".

Das 13 pessoas baleadas, 11 eram negras, e o mercado fica em um bairro de maioria afro-americana.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, definiu o massacre como "um ato de terrorismo interno" e também falou em "crime motivado pelo ódio racial, perpetrado em nome da repugnante ideologia do nacionalismo branco".

"Precisamos fazer tudo o que estiver em nosso poder para colocar fim a esse terror alimentado pelo ódio", acrescentou o mandatário.

Já a governadora de Nova York, Kathy Hochul, desejou que o supremacista "passe o resto de seus dias atrás das grades". "Foram execuções em estilo militar contra pessoas que só queriam fazer compras", ressaltou.

Gendron transmitiu o atentado ao vivo na plataforma de streaming Twitch e escreveu um manifesto de 106 páginas no qual defende a teoria da conspiração de que os brancos estão sendo substituídos em seus países por imigrantes.

Antes disso, em 2021, ele já havia sido investigado por ter ameaçado promover um massacre em sua escola. Uma de suas maiores inspirações era Brenton Tarrant, terrorista de extrema direita que matou 51 muçulmanos em duas mesquitas de Christchurch, na Nova Zelândia, em março de 2019, ataque também transmitido nas redes sociais. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA