Rússia e Ucrânia trocam acusações sobre central nuclear

Usina de Zaporizhzhia, a maior da Europa, foi alvo de ataques

Soldado russo em frente à entrada da central nuclear de Zaporizhzhia, na Ucrânia, em 1º de maio
Soldado russo em frente à entrada da central nuclear de Zaporizhzhia, na Ucrânia, em 1º de maio (foto: EPA)
19:06, 05 AgoROMA ZLR

(ANSA) - Rússia e Ucrânia trocaram acusações sobre ataques à central de Zaporizhzhia, maior usina de energia nuclear da Europa, nesta sexta-feira (5).

Segundo o governo ucraniano, bombas russas atingiram uma linha elétrica de alta tensão na central. A Energoatom, estatal que opera as usinas nucleares do país, denunciou três explosões perto de um dos blocos de alimentação de um reator, mas ressaltou que não foi registrado nenhum vazamento radioativo.

Em mensagens nas redes sociais, moradores de Energodar, onde fica a central, afirmaram que os russos realizaram ataques com artilharia e foguetes, enquanto funcionários ucranianos da usina foram trancados dentro dos prédios.

"A Rússia deve assumir sua responsabilidade por criar uma ameaça a uma central nuclear", disse o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. "Qualquer bombardeio a esse local é um crime sem-vergonha e um ato de terror", reforçou.

Por sua vez, um representante da ocupação russa em Energodar acusou o Exército da Ucrânia de disparar contra o território da central de Zaporizhzhia durante uma troca de turno dos trabalhadores.

"O ataque da artilharia ucraniana poderia ter causado um incidente nuclear. Foi pura sorte que isso tenha sido evitado", salientou o Ministério da Defesa da Rússia, que ainda pediu para organizações internacionais "condenarem as ações criminosas" de Kiev. O governo russo também acusou a gestão Zelensky de "terrorismo nuclear".

A central atômica de Zaporizhzhia é a maior da Europa e conta com seis dos 15 reatores em uso na Ucrânia, mas está sob comando das tropas russas, apesar de não fazer parte do Donbass, onde a guerra se concentra atualmente. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA