/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Israel ataca escola de agência da ONU e deixa dezenas de mortos

Israel ataca escola de agência da ONU e deixa dezenas de mortos

Espaço abrigava civis deslocados em Nuseirat, na Faixa de Gaza

GAZA, 06 de junho de 2024, 14:32

Redação ANSA

ANSACheck
Israel se defendeu ao afirmar que atacou  'terroristas ' do Hamas, versão negada pela UNRWA © ANSA/EPA

Israel se defendeu ao afirmar que atacou 'terroristas ' do Hamas, versão negada pela UNRWA © ANSA/EPA

Um ataque efetuado pelas forças israelenses atingiu uma escola de uma agência da Organização das Nações Unidas (ONU) que hospedava pessoas deslocadas em Nuseirat, na Faixa de Gaza, e deixou dezenas de mortos.
    A quantidade exata de falecidos ainda é incerta, pois o governo local, controlado pelo grupo fundamentalista islâmico Hamas, menciona 40 óbitos, enquanto o Exército de Israel diz que houve entre 20 e 30 mortos.
    As Força Armadas de Israel não esconderam que atingiram o local, mas defenderam que atacaram "terroristas" do Hamas que supostamente estavam dentro da instituição de ensino. A agência da ONU para Refugiados Palestinos (UNRWA), que administrava o espaço, negou a versão.
    "Antes do ataque foram tomadas medidas para reduzir o risco de ferir civis não envolvidos, incluindo vigilância aérea e outras informações de inteligência", explicou um porta-voz do Exército israelense.
    Josep Borrell, Alto Representante da União Europeia, destacou a necessidade de uma "investigação independente" sobre a ofensiva no enclave palestino.
    O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, denunciou que ocorreu um "novo exemplo aterrorizante do preço pago pelos civis" em Gaza.
    Enquanto isso, 17 países, entre eles Brasil e Argentina, pediram aos líderes de Israel e do Hamas que façam todos os compromissos finais necessários para concluir o acordo sobre o cessar-fogo e a libertação dos reféns, com base no plano do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use