/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Mahsa Amini é homenageada em entrega de prêmio da UE

Mahsa Amini é homenageada em entrega de prêmio da UE

Jovem iraniana morreu devido a agressões sofridas sob custódia policial

ESTRASBURGO, 12 dezembro 2023, 09:01

Redação ANSA

ANSACheck

Iraniana foi homenagem em Estrasburgo © ANSA/EPA

(ANSA) - O Parlamento da União Europeia atribuiu nesta terça-feira (12) o Prêmio Sakharov em 2023 para a jovem Jina Mahsa Amini, cuja morte deflagrou um onda de protestos no Irã, e ao movimento "Mulher, Vida e Liberdade", que luta contra a discriminação de gênero no país persa.

Em uma cerimônia em Estrasburgo, os laureados foram representados por Saleh Nikbakht, acadêmico e advogado que representa a família de Mahsa Amini, e Afsoon Najafi e Mersedeh Shahinkar, defensores dos direitos das mulheres iranianas que deixaram o Irã em 2023.

Os pais e o irmão de Amini foram detidos pelas autoridades iranianas no aeroporto de Teerã e os seus passaportes confiscados, no último dia 8 de dezembro, quando estavam a caminho de França para a premiação. A família da ativista está agora proibida de viajar.

Antes da entrega do prêmio, que é a maior honraria da UE para reconhecer a liberdade de pensamento e a batalha pelos direitos civis, a presidente do Europarlamento, Roberta Metsola, homenageou os vencedores.

"Jina Mahsa Amini deu a sua vida para defender as mulheres no Irã e hoje recordamos o seu sacrifício. O prêmio Sakharov é uma homenagem a todas as mulheres e homens corajosos que, apesar da repressão, continuaram a lutar por uma mudança", afirmou ela. "O Parlamento Europeu os ouve e os apoia. Vocês não estão sozinhos".

A jovem curda de 22 anos foi presa pela polícia em Teerã, capital do Irã, em 13 de setembro de 2022, por supostamente ter desrespeitado as regras sobre o uso do véu islâmico.

Ela morreu em um hospital três dias depois de sua detenção devido a agressões sofridas sob custódia policial. A morte de Amini desencadeou uma onda de protestos contra o regime teocrático em vigor no Irã desde 1979, o uso obrigatório do véu e a discriminação de gênero, sob o slogan "Mulher, Vida e Liberdade".

Em seu discurso, Nikbakht leu uma mensagem da mãe de Amini, a qual reforça que "o luto por Jina é eterno" e "ela é imortal para pessoas em todo o mundo".

"Acredito firmemente que o seu nome, ao lado do de Joana d'Arc, continuará a ser um símbolo de liberdade. Desde o local de nascimento da eterna Jina, transmito-vos a gratidão infinita da minha família e espero que se mantenham firmes e orgulhosos pela vossa escolha. Esperemos que nenhuma voz tenha medo da proclamação da liberdade", acrescenta o texto.

Amini também foi lembrada pelo vice-premiê e chanceler da Itália, Antonio Tajani, durante um evento em Roma focado no Irã, realizado por ocasião da premiação.

"A Europa é também uma comunidade de valores e temos o direito e o dever de defender esses valores. O Prêmio Sakharov é dedicado à liberdade de expressão, a pessoas que lutaram pela liberdade", enfatizou o ministro italiano, lembrando que a honraria foi atribuída a "uma jovem [Amini] que lutou pela liberdade e pela democracia, pelo direito das mulheres de serem mulheres".

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use