Cardeal é acusado de pagar reforma com recursos de hospital

O italiano Tarcisio Bertone disse ser alvo de "calúnias"

O cardeal Tarcisio Bertone mora em um apartamento de 296 m² no Vaticano
O cardeal Tarcisio Bertone mora em um apartamento de 296 m² no Vaticano (foto: ANSA)
19:13, 05 NovROMA ZLR

(ANSA) - O arcebispo emérito de Gênova, cardeal Tarcisio Bertone, rebateu nesta quinta-feira (5) as acusações de que teria usado recursos da Fundação Menino Jesus, que administra um hospital pediátrico em Roma, para reformar a cobertura em que vive.

 

"É uma vergonha, não sei como me defender. Defender-se de calúnias é quase impossível", declarou o italiano ao jornal "Corriere della Sera". Bertone também foi secretário de Estado do Vaticano durante o Pontificado de Bento XVI e camerlengo da Igreja, pessoa encarregada de gerenciá-la durante a Sé Vacante, quando o trono de Pedro fica vago.

 

O imóvel em questão é a junção de dois apartamentos no último andar do palácio São Carlos, no Vaticano, vizinho à casa Santa Marta, residência do papa Francisco. Segundo o cardeal, a cobertura tem 296 m² - cerca de quatro vezes o tamanho da moradia do Pontífice - e sua reforma foi paga com suas economias.

 

A denúncia contra Bertone está no livro "Avarizia" ("Avareza"), do jornalista Emiliano Fittipaldi, que relata segredos e escândalos envolvendo as finanças da Santa Sé. De acordo com o repórter, a renovação custou aproximadamente 200 mil euros e foi financiada pela Fundação Menino Jesus.

 

A obra começou após o cardeal deixar o comando da secretaria de Estado. Segundo o religioso, o apartamento cedido a ele é de propriedade do Governatorado do Vaticano e sua reforma deveria ser custeada pela própria Igreja. Como o orçamento da cidade-Estado não previa nenhum projeto do tipo, Bertone alega que decidiu pagar do próprio bolso.

 

"Eu paguei com as minhas economias por um apartamento que não é de minha propriedade e que ficará para o Governatorado", disse. (ANSA)

 

http://www.papafrancesconewsapp.com/por

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA