Vítimas de abuso querem encontro com Papa

O australiano George Pell responde por ter acobertado casos

Vítimas de abuso na Austrália querem encontro com Papa (foto: EPA)
12:27, 02 MarROMA ZSG

(ANSA) - As 14 vítimas de abusos sexuais de religiosos nos anos 1970 e 1980 na Austrália querem se encontrar com o papa Francisco enquanto o cardeal australiano George Pell responde pela acusação de ter acobertado os casos.
   
As vítimas foram a Roma para assistir o depoimento de Pell diante da Justiça australiana, que acontece por meio de vídeo conferência. O porta-voz do grupo, Philip Nagle, leu para jornalistas uma carta endereçada ao Papa onde pedem ações para evitar novos abusos de menores no futuro.
   
"Queremos um encontro para discutir o compromisso sobre os casos das crianças do passado e as do futuro, de forma que os crimes não se repitam".
   
"Estamos cansados de ouvir o que George diz em depoimento sem demonstrar qualquer empatia pelas vítimas. Nós só temos mais dois dias em Roma e queremos ser ouvidos, queremos que mostrem interesse em nós e que, possivelmente, ajudem a mudar nosso futuro", acrescentou.
   
Pell disse recentemente estar disposto a encontrar o grupo e que ajudará com o pedido de reunião com Francisco.
   
O cardeal australiano, acusado de acobertar casos de pedofilia nos anos 1980 em seu país, admitiu, em depoimento, não ter "agido da forma como deveria" para evitar os crimes e "não ter fornecido as informações adequadas sobre o caso" às autoridades.
   
Pell, atual prefeito de Assuntos Econômicos do Vaticano, já foi arcebispo de Melbourne e de Sydney. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA