Vaticano reconhece martírio de jovem brasileira morta em 1941

Benigna Cardoso da Silva foi assassinada ao se defender de abuso

Papa Francisco durante missa no Vaticano
Papa Francisco durante missa no Vaticano (foto: ANSA)
19:52, 03 OutCIDADE DO VATICANO ZLR

(ANSA) - A Congregação das Causas dos Santos promulgou nesta quinta-feira (3) um decreto que reconhece o martírio da "serva de Deus" Benigna Cardoso da Silva, jovem católica assassinada em 24 de outubro de 1941, aos 13 anos de idade.

"Ontem, 2 de outubro de 2019, o Santo Padre Francisco recebeu em audiência o Senhor Cardeal Angelo Becciu, Prefeito da Congregação das Causas dos Santos. Durante a audiência, o Sumo Pontífice autorizou a mesma Congregação a promulgar o decreto referente ao martírio da Serva de Deus Benigna Cardoso da Silva", diz um comunicado oficial do dicastério.

Católica fervorosa, Benigna era natural de Santana do Cariri (CE) e foi assassinada a golpes de facão ao tentar se defender de uma tentativa de abuso sexual por parte de um jovem da mesma idade. Desde então, virou alvo de devoção por fiéis que a consideram "mártir da castidade", e o local do crime se tornou destino de peregrinação.

Seu processo de beatificação foi aberto pela Congregação das Causas dos Santos em 2013, o que lhe rendeu o título de "serva de Deus". (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA