Bispo alemão critica veto da Igreja a bênção para uniões gays

Este é o segundo religioso a atacar a decisão aprovada pelo Papa

Vaticano proibiu bênçãos a uniões homoafetivas
Vaticano proibiu bênçãos a uniões homoafetivas (foto: ANSA)
15:15, 20 MarCIDADE DO VATICANO ZCC

(ANSA) - Mais um bispo contrariou a decisão do Vaticano de negar a concessão de bênçãos a uniões entre pessoas do mesmo sexo. Dessa vez foi o titular da diocese de Essen, na Alemanha, dom Franz-Josef Overbeck.

Em carta a todas as paróquias da diocese, o religioso alemão afirmou que a doutrina da Igreja Católica "exige com urgência uma perspectiva mais ampla da sexualidade humana".

Overbeck convidou todos os católicos a não sucumbir às "tentações fundamentalistas" e afirmou que as "pessoas com orientação homossexual se sentem ofendidas e magoadas" pela disposição da Congregação para a Doutrina da Fé.

"A avaliação da homossexualidade com base na lei natural não é mais entendida e nem mais aceita. Além disso, os numerosos sinais públicos vindos das paróquias e sobretudo de numerosos agentes pastorais expressam nestes dias uma rejeição aberta da posição [do Vaticano] que já não pode ser ignorada, diz o texto.

Para o bispo alemão, "os cristãos homossexuais devem permanecer ligados à nossa igreja porque, como batizados, fazem parte dela".

"A bênção é um sinal de acompanhamento e deve mostrar que, através da Igreja, Deus está presente nesta relação", finalizou.

O documento, de autoria da Congregação para a Doutrina da Fé e aprovado pelo papa Francisco, defende que a bênção é uma ação sacramental, portanto não pode ser concedida àquilo que não está de acordo com os "desígnios de Deus".

O texto provocou críticas também do monsenhor Johan Bonny, bispo da Antuérpia, e de personalidades como o músico Elton John e o piloto de F1 Lewis Hamilton.(ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA