Papa reza por quem 'arrisca a vida' lutando por direitos humanos

Francisco lamentou que direitos não são iguais para todos

Papa defendeu o respeito pelos direitos humanos
Papa defendeu o respeito pelos direitos humanos (foto: ANSA)
14:22, 06 AbrCIDADE DO VATICANO ZGT

(ANSA) - O papa Francisco divulgou nesta terça-feira (6) as intenções das orações para o mês de abril e pediu uma atenção especial para todos aqueles que lutam pelos direitos fundamentais da humanidade ao redor do mundo.

"Rezemos por aqueles que arriscam a vida lutando pelos direitos fundamentais em ditaduras, nos regimes autoritários e também nas democracias em crise, para que seus sacrifícios e o seu trabalho levem a frutos abundantes", disse o líder católico no vídeo divulgado pela Santa Sé.

Nas imagens, há diversas cenas de pobreza e de famílias em situação de necessidade. Francisco afirma que "para defender os direitos humanos fundamentais são necessárias coragem e determinação". "Me refiro ao fato de se opor ativamente à pobreza, à desigualdade, à falta de trabalho, da terra e da casa, dos direitos sociais e trabalhistas", ressalta o líder católico.

O Pontífice ainda fez uma reflexão dizendo que, por muitas vezes, "os direitos humanos fundamentais não são iguais para todos".

"Há pessoas de primeira, segunda, terceira classe e pessoas que são consideradas descartáveis. Não, [os direitos] devem ser iguais para todos. E, em alguns locais, defender a dignidade das pessoas pode significar ser preso, mesmo sem processo. Ou pode significar calúnia", acrescentou.

Retomando diversos de seus discursos e homilias, Jorge Mario Bergoglio voltou a cobrar o direito de cada ser humano de se "desenvolver integralmente" e que isso é fundamental para cada pessoa no planeta, não podendo ser negado por nenhum país.

 

 

Desde que assumiu o Pontificado, em 2013, o líder católico bate na tecla do que chama de "cultura do descarte" e relembra, com frequência, da importância do respeito aos direitos humanos. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA