Vacinar-se contra Covid é 'ato de amor', diz papa Francisco

Pontífice divulgou vídeo para promover imunização

Papa Francisco durante audiência geral no Vaticano
Papa Francisco durante audiência geral no Vaticano (foto: ANSA)
14:30, 21 AgoVATICANO ZLR

(ANSA) - O papa Francisco voltou a defender a vacinação contra a Covid-19 e disse em um vídeo publicado nesta quarta-feira (18) que imunizar-se é um "ato de amor".

A mensagem foi divulgada no âmbito de uma campanha internacional chamada "Depende de você", criada para estimular a vacinação contra o novo coronavírus, no momento em que fatias significativas das populações de alguns países, especialmente dos desenvolvidos, ainda resistem aos imunizantes anti-Covid.

"Com espírito fraterno, uno-me a esta mensagem de esperança por um futuro mais luminoso. Graças a Deus e ao trabalho de muitos, hoje temos vacinas para nos proteger da Covid-19. Elas trazem esperança de acabar com a pandemia, mas apenas se estiverem disponíveis para todos e se colaborarmos uns com os outros", diz o Papa no vídeo.

"Vacinar-se com vacinas permitidas pelas autoridades competentes é um ato de amor, e ajudar para que a maioria das pessoas o faça é um ato de amor. Amor por si mesmo, amor por familiares e amigos, amor por todos os povos", acrescenta.

Segundo Francisco, imunizar-se é um modo "simples, mas profundo", de promover o "bem comum e cuidar uns dos outros, especialmente dos mais vulneráveis". "Peço a Deus para que cada um possa contribuir com seu pequeno grão de areia, seu pequeno gesto de amor. Por menor que seja, o amor é sempre grande", afirma.

O líder da Igreja Católica é um dos principais defensores de uma distribuição equânime de vacinas anti-Covid no mundo e já cobrou que as nações ricas sejam mais solidárias com os países em desenvolvimento.

Recentemente, pediu a suspensão das patentes de imunizantes contra o novo coronavírus e disse que colocar os direitos de propriedade intelectual acima da saúde da humanidade é um sintoma do "vírus do individualismo". (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA