/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

China lança sonda Einstein para explorar mistérios do Universo

Observatório de raios X é fruto de parceria com a ESA

ROMA, 09 janeiro 2024, 13:26

Redação ANSA

ANSACheck

Imagem histórica de buraco negro revelada em 2019 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A China lançou nesta terça-feira (9) a sonda Einstein, fruto de uma parceria com a Agência Espacial Europeia (ESA) e o Instituto Max Planck de Física Extraterrestre, da Alemanha, para observar os raios X emitidos por alguns dos fenômenos mais violentos do Universo, como supernovas ou colisões de buracos negros e estrelas de nêutrons.

O lançamento ocorreu na base chinesa de Xichang, com um foguete Longa Marcha 2C. "Gostaria de parabenizar nossos colegas da Academia Chinesa de Ciências pelo lançamento bem-sucedido de uma missão inovadora que está pronta para fazer grandes avanços no campo da astronomia em raio X", disse a diretora de ciências da ESA, Carole Mundell.

A sonda orbita a Terra a uma altitude de aproximadamente 600 quilômetros e completa uma volta no planeta a cada 96 minutos.

Os próximos seis meses serão dedicados a testar e calibrar os instrumentos, e o equipamento deve operar por pelo menos três anos.

"Graças ao seu olhar único e amplo, seremos capazes de captar os raios X das colisões entre estrelas de nêutrons e descobrir o que está causando algumas das ondas gravitacionais que detectamos na Terra", disse Erik Kuulkers, cientista do Projeto Sonda Einstein na ESA. (ANSA) 

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use