/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Cientistas italianos descobrem vulcões submarinos na Antártida

Cordilheira ocupa mais de 500 km² em área remota

TRIESTE, 27 março 2024, 14:09

Redação ANSA

ANSACheck

Vulcões submarinos na costa da Antártida - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Uma cadeia de vulcões subaquáticos de mais de 500 quilômetros quadrados foi descoberta nos remotos mares da Antártida por uma equipe de pesquisadores do navio quebra-gelo italiano Laura Bassi, do Instituto Nacional de Oceanografia e Geofísica Experimental (OGS).

A cordilheira fica a cerca de 70º de latitude sul, a aproximadamente 60 quilômetros da Costa Pennell, zona onde as correntes do Oceano Antártico encontram as águas do Mar de Ross.

A cadeia tem 50 quilômetros de extensão e 15 de largura em seu ponto máximo, enquanto os picos mais altos chegam a 1,5 mil metros acima do leito oceânico. Ainda assim, o ponto mais elevado dessa cordilheira fica a 600 metros de profundidade.

Os primeiros indícios dessa descoberta foram encontrados durante a 38ª expedição italiana na Antártida, em fevereiro de 2023, foram confirmados na 39ª campanha, encerrada no início de março de 2024.

O projeto é coordenado pela Universidade de Gênova, mas também conta com pesquisadores do OGS, do Instituto de Geociências e Recursos Naturais de Hannover, na Alemanha, e das universidades Roma Tre e de Trieste, na Itália.

"A área estudada pelo projeto é crucial para compreender as interações entre os processos geológicos ligados aos movimentos das placas tectônicas e a evolução dos mantos de gelo da Antártida", disse Laura Crispini, professora da Universidade de Gênova e diretora científica do projeto.

"No passado, a área quase não foi investigada, principalmente devido à sua posição geográfica remota, muitas vezes coberta por gelo marinho e caracterizada por condições climáticas extremas", acrescentou.

O objetivo do grupo é obter resultados para entender as mudanças globais que caracterizam a evolução do sistema Terra, como a abertura das bacias oceânicas que favoreceram o isolamento climático da Antártida e o consequente desenvolvimento da calota polar, a partir de cerca de 34 milhões anos atrás. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use