/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

ANSA-Entrevista: Itália e Brasil são parceiros sobre clima, diz presidente do CNR

Carrozza ressalta que é preciso antecipar eventos

BRASÍLIA, 14 março 2023, 13:43

Redação ANSA

ANSACheck

Onu, raggiunto l 'accordo sulla protezione degli Oceani / SPECIALE - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Em tempos de mudanças climáticas, há um amplo campo de trabalho conjunto para desenvolver entre Itália e Brasil, afirma a presidente do Conselho Nacional de Pesquisas (CNR), a italiana Maria Chiara Carrozza, que está nesta terça-feira (14) em Brasília para visitar a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Um dos objetivos da visita é o de explorar o trabalho que pode ser desenvolvido pelos italianos e brasileiros em setores como agricultura de precisão, a robótica e as biotecnologias.

"O Brasil tem um papel muito importante na luta contra as mudanças climáticas. Tem muitas áreas protegidas na Amazônia e em outras regiões, o que representa um capital para o Brasil e para o mundo todo", disse a cientista em entrevista à ANSA.

A colaboração entre pesquisadores de ambos os países pode contribuir para a luta contra as mudanças climáticas, destaca Carrozza, a primeira mulher a se tornar presidente do CNR.

"É preciso desenvolver modelos científicos que saibam antecipar os eventos climáticos que antes não existiam. Na Itália, há fenômenos sem precedentes e não temos modelos para preveni-los", continua a ex-ministra da Educação, Universidade e Pesquisa do governo Enrico Letta (2013-2014).

"Precisamos antecipar o impacto das atividades humanas e sociais sobre o ambiente, sobretudo nas áreas protegidas" no Brasil, afirma ainda Carrozza, que ontem debateu o assunto com a ministra brasileira de Ciência, Tecnologia e Inovação, Luciana Santos, no âmbito do Fórum Nacional do Conselho dos Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação (Consecti).

"Levarei muitos sinais positivos à Itália e a Itália tem a necessidade de redescobrir o Brasil", pontua Carrozza, anunciando que, nesse contexto de reaproximação, a Itália poderia acolher profissionais brasileiros, além de enviar os seus pesquisadores na Amazônia.
   


   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use