/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Itália aprova construção de museu em homenagem a vítimas de massacre

Tragédia ocorrida em 1947 deixou milhares de mortos

ROMA, 31 janeiro 2024, 14:47

Redação ANSA

ANSACheck

Uma das maiores tragédias do país aconteceu em 1947 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - O Conselho dos Ministros da Itália aprovou nesta quarta-feira (31) o projeto de lei para a criação de um museu para homenagear e recordar as milhares de vítimas do Massacre das Foibe, que matou entre cinco mil e 17 mil pessoas.

Uma das maiores tragédias do país ligada à sua participação na Segunda Guerra Mundial, o massacre aconteceu em 1947.

Na ocasião, a ex-Iugoslávia desejava anexar a região de Friuli-Venezia Giulia, mas todos os contrários a isso eram assassinados pelo Exército do marechal Josip Broz, então premiê da nação eslava.

Além disso, milhares de pessoas que não se adaptavam ao novo regime, principalmente de Trieste, da Dalmácia e da Ístria, as últimas duas atualmente na Croácia, foram deportadas pelas Forças Armadas da Iugoslávia.

"A criação do museu é um dever histórico para com os que sofreram sob a ditadura comunista de Tito. Estas tragédias não devem ser esquecidas. São uma parte importante da história italiana e devem ser conhecidas e compreendidas pelas novas gerações", disse o ministro da Cultura da Itália, Gennaro Sangiuliano.

O Museu da Memória ficará em Roma e custará por volta de oito milhões de euros para ser construído. As obras estão previstas para ser concluídas em 2026.

O estudo prevê que a estrutura custará cerca de 50 mil euros por ano para seu funcionamento.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use