/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Italianos avançam na busca por tratamentos contra AME

Atrofia muscular espinhal é uma doença degenerativa rara

ROMA, 24 fevereiro 2023, 10:57

Redação ANSA

ANSACheck

Atrofia muscular espinhal afeta neurônios motores - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Pesquisadores italianos avançaram na busca por tratamentos voltados a crianças com atrofia muscular espinhal (AME), doença degenerativa rara que afeta os neurônios motores.

Um estudo publicado na revista Communications Medicine mostra que as formas mais graves da patologia são associadas a altos níveis de inflamação no sistema nervoso central, similares àquelas encontradas em pacientes idosos com Parkinson ou Alzheimer.

Dessa forma, aliar anti-inflamatórios ao tratamento farmacológico da AME pode aumentar sua eficácia. A pesquisa foi realizada pelas universidades dos Estudos de Nápoles Federico II e Luigi Vanvitelli, na Itália, e Columbia, dos EUA, em colaboração com os hospitais pediátricos Bambino Gesù, de Roma, e Giannina Gaslini, de Gênova.

"É amplamente aceito que não existe ainda uma cura de verdade para a doença", observa Alessandro Usiello, professor na Universidade Vanvitelli e idealizador do estudo.

"Por essa razão, a identificação de alterações específicas associadas à gravidade da patologia é fundamental, não apenas para a eficácia dos tratamentos, mas também para o desenvolvimento de novos medicamentos", acrescentou. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use