Itália quer continuar sendo país da UE que mais recicla

Nação colocou como meta chegar a 75% de embalagens recicladas

País europeu mira a ponta da lista deste semente entre os membros da UE (foto: ANSA)
País europeu mira a ponta da lista deste semente entre os membros da UE (foto: ANSA)

(ANSA) - Com o objetivo de atingir a marca de 75% de embalagens recicladas em 2023, a Itália pretende continuar sendo o país da União Europeia que mais recicla.

O presidente do Consórcio Nacional de Embalagens (Conai), Luca Ruini, afirmou que a meta traçada pelo país é de cerca de 11 milhões de toneladas de embalagens enviadas para reciclagem.

"Essa meta vai depender muito dos montantes colocados no mercado, que estão intimamente ligados à evolução dos custos das matérias-primas e da energia", disse Ruini.

O chefe do Conai analisou que atingir a meta de 75% seria um resultado que "superaria em 10 pontos percentuais os 65% que a União Europeia exige de seus membros

Ruini acrescentou que a "recuperação do consumo" entre os italianos deve fazer com que o mercado ultrapasse os 14,5 milhões de toneladas de embalagens, número acima dos níveis pré-pandêmicos.

"Os italianos estão ficando cada vez melhores em diferenciar corretamente os resíduos. Devemos continuar nos empenhando, já que a Itália é líder na Europa neste setor. Nossas cidades devem ser vistas como minas urbanas que produzem recursos, não resíduos", finalizou Ruini. (ANSA).