/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Ativistas climáticos tingem de preto água de fonte em Roma

Prefeito da capital da Itália criticou protesto

ROMA, 06 maio 2023, 15:14

Redação ANSA

ANSACheck

Polícia retirou manifestantes da fonte em Roma - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Um grupo de ativistas contra a crise climática despejou neste sábado (6) um líquido preto à base de carvão na água da Fontana dei Quattro Fiumi, na Piazza Navona, em Roma, para alertar sobre o futuro que espera a humanidade com secas e enchentes cada vez mais frequentes.

Ao todo, quatro pessoas ligadas à campanha "Não vamos pagar pelos fósseis", promovida pelo grupo italiano Última Geração, foram retirados do local pela polícia da capital italiana.

"O nosso futuro é tão negro como esta água: sem água não há vida. E com o aumento das temperaturas estamos expostos, por um lado, à seca e, por outro, às inundações", afirmou Anna, uma das ativistas.

"Água que falta para cultivar alimentos, água que cai junto destruindo as casas. Anos difíceis nos esperam, mas se não zerarmos as emissões imediatamente, serão terríveis. O colapso já está em curso e não podemos mais detê-lo: prova disso são os eventos extremos cada vez mais frequentes e devastadores, como a inundação na Emilia-Romagna há alguns dias. Por isso, pedimos ao governo que desfaça imediatamente os bilhões que gasta em combustíveis fósseis, a principal causa dessas tragédias, e os use para tomar medidas urgentes para proteger os italianos das consequências das bombas d'água, seca extrema, ondas de calor mortais", acrescentou ela.

Em uma publicação nas redes sociais, o prefeito de Roma, Roberto Gualtieri, criticou o protesto e o classificou como "mais uma insensata desfiguração dos monumentos" da cidade.

"Desta vez, a magnífica Fontana dei Quattro Fiumi, na Piazza Navona, foi desfigurada. As lutas certas tornam-se erradas se danificam os bens comuns. É não colocando em risco o patrimônio artístico que salva o meio ambiente", escreveu o prefeito nas redes sociais.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use