/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Ártico pode ficar sem gelo marinho no verão antes do previsto

Pesquisa sugere aceleração do aquecimento no Polo Norte

ROMA, 06 junho 2023, 12:53

Redação ANSA

ANSACheck

Emissões de gases do efeito estufa aceleraram perda de gelo marinho no Ártico - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - O Ártico pode ficar completamente sem gelo no fim do verão já em 2030, uma década antes das previsões anteriores.

É o que sugere um estudo publicado na revista Nature Communications e liderado pela Universidade de Ciência e Tecnologia de Pohang, na Coreia do Sul, que destaca o impacto significativo das atividades humanas no Polo Norte mesmo em um cenário de baixas emissões de gases de efeito estufa.

As novas previsões demonstram a importância de se adaptar a um Ártico sazonalmente sem gelo marinho em um futuro mais próximo do que se pensava anteriormente.

Todos os anos, o gelo no Ártico atravessa um ciclo sazonal, crescendo em extensão e espessura durante o inverno boreal, para depois se reduzir na primavera e no verão, atingindo seu ponto mínimo em setembro.

Pesquisadores liderados pela professora Yeon-Hee Kim analisaram dados coletados de 1979 a 2019, e os resultados sugerem que o impacto humano no declínio do gelo marinho do Ártico pode ser observado durante todo o ano e é atribuído em grande parte ao aumento das emissões de gases de efeito estufa.

Além disso, os dados indicam que o Ártico pode ficar sem gelo no verão no período entre 2030 e 2050, em todos os cenários simulados de emissão de gases de efeito estufa. Isso contrasta com avaliações anteriores, que indicavam a resistência do gelo marinho na região em cenários de emissões menores.

Um Ártico sem gelo marinho afetaria as sociedades humanas e os ecossistemas naturais dentro e fora da região, por exemplo, alterando as correntes oceânicas e o ciclo do carbono, o que aceleraria ainda mais o aquecimento dessa zona. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use