/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Ferrero promove Fórum sobre sustentabilidade em Brasília

Grupo está investindo em descarbonização de fábrica em MG

BRASÍLIA, 01 dezembro 2023, 16:40

Redação ANSA

ANSACheck

Max De Simone, CEO da Ferrero para a América do Sul (foto: ANSA/Adriano Brito/Trilux)

(ANSA) - A empresa italiana Ferrero, dona de marcas como Kinder, Nutella, Ferrero Rocher e Tic Tac, reuniu autoridades e executivos em um fórum em Brasília para discutir sustentabilidade e desenvolvimento, reforçando o compromisso de zerar as emissões de CO2 em sua fábrica no Brasil até 2025.

Em franco crescimento, a companhia faturou cerca de 14 bilhões de euros no último ano fiscal (alta de 10,4% sobre o exercício anterior) e dobrou a receita ao longo de uma década, mas, segundo Max De Simone, CEO da Ferrero para a América do Sul, o compromisso da empresa é sempre assegurar que a expansão aconteça "de forma responsável" em termos ambientais e sociais.

No Brasil, isso se reflete em um projeto de mais R$ 30 milhões - dos quais R$ 8,5 milhões já foram investidos - para descarbonizar a fábrica de Poços de Caldas (MG), maior planta do grupo na região, até 2025.

A primeira etapa do programa foi concluída já em setembro de 2022 e levou a uma redução de aproximadamente 15% das emissões de carbono. As outras duas fases vêm sendo desenvolvidas entre 2023 e o próximo ano e preveem o processo de eletrificação dos equipamentos, o que permitirá a produção com zero emissão de CO2 até 2025 no escopo 1.

Para garantir avanços, em outubro passado, a companhia ainda investiu na inauguração de uma usina fotovoltaica capaz de produzir 152 mil kWh de energia elétrica por ano, o suficiente para abastecer toda a área externa da unidade.

"E a cada ano nós vamos seguindo essa jornada muito importante para fornecer as grandes marcas da Ferrero de uma forma cada vez mais sustentável", explicou De Simone.

Em termos globais, o que inclui 36 fábricas espalhadas pelo mundo e 18 afiliadas, 92% da eletricidade utilizada pelo grupo já é proveniente de fontes renováveis, enquanto 88,5% das embalagens são reutilizáveis, recicláveis ou biodegradáveis - a meta é chegar a 100% em 2025.

"E a gente tem muito orgulho em dizer que 100% do cacau utilizado é certificado, 100% do óleo de palma é certificado, e essa é a nossa forma de contribuir com o desenvolvimento de cadeias sustentáveis", disse o Diretor de Assuntos Corporativos e Sustentabilidade da Ferrero na América do Sul, Fernando Careli.

Um dos exemplos dessa política de aquisição de ingredientes "verdes" está no Chile, onde uma subsidiária agrícola da Ferrero, a Agrichile, desenvolveu uma produção 100% rastreável de avelãs - matéria-prima crucial para o grupo - baseada no consumo responsável de água e na gestão eficiente da irrigação, ajudando o país a se tornar o segundo maior exportador do fruto no mundo.

"É um exemplo de como o empreendedorismo pode criar sistemas sustentáveis e de sucesso dentro das próprias cadeias de abastecimento. Nós nascemos da terra, e a terra é que sustenta nosso modelo de negócios", afirmou De Simone.

O 3º Fórum Ferrero, organizado em parceria com o think tank Esfera, reuniu autoridades dos poderes Executivo e Legislativo, bem como o embaixador da Itália no Brasil, Alessandro Cortese, que disse que o evento foi uma "excelente oportunidade para aprofundar um tema tão relevante como a parceria público-privada para a criação de um modelo de desenvolvimento econômico mais sustentável e respeitoso do meio ambiente".

"Itália e Brasil são países irmãos, mas, para que nossas relações econômicas e comerciais possam continuar a se fortalecer, precisamos fomentar o diálogo entre atores públicos e privados para enfrentar os desafios do futuro, incluindo os ambiciosos objetivos de combate às mudanças climáticas", ressaltou o diplomata. (ANSA) 

  

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use