/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

COP28 chega ao 5º dia longe de consenso para acordo final

Eliminar ou reduzir combustíveis fósseis é ponto de discórdia

ROMA, 05 dezembro 2023, 13:27

Redação ANSA

ANSACheck

Manifestação na COP28 em Dubai © ANSA/EPA

(ANSA) - No quinto dia da 28ª edição da Conferência Anual da ONU sobre o Clima (COP28) em Dubai, em que se fala de energia, foi elaborado um novo rascunho de acordo, mas ainda está distante de atingir um consenso.

O documento diz respeito principalmente ao Balanço Global, ferramenta de monitoramento da implementação das metas do Acordo de Paris, de 2015. Nele, trabalham os delegados dos 197 países participantes, mais a União Europeia.

A busca por um acordo comum prossegue pelo menos até o último dia da COP28, 12 de dezembro. Na quarta-feira (5), véspera do dia de pausa, deve sair um novo texto.

O tema dos combustíveis fósseis e a decisão entre sua redução ou eliminação gradual é o terreno mais espinhoso da Conferência.

A última versão de um potencial acordo previa três opções: uma eliminação gradual "ordenada e justa", "uma aceleração dos esforços em direção à eliminação gradual dos combustíveis fósseis", e uma opção que não citaria a eliminação gradual.

A Arábia Saudita, maior exportadora de petróleo no mundo, disse claramente que não pretende aceitar nem a redução gradual de combustíveis fósseis, muito menos eliminá-los.

O ministro da Energia, Abdulaziz bin Salman, afirmou que essa previsão não será aceita no documento final: "E asseguro que ninguém, falando de governos, acredita".

No rascunho há diversas solicitações: 106 países querem a previsão da eliminação dos combustíveis fósseis, enquanto 120 apoiam a triplicação das energias renováveis.

Muitos países em desenvolvimento querem mais, destacando o princípio das responsabilidades comuns, mas diferenciadas, segundo o think tank italiano para o clima Ecco.

Os países em desenvolvimento destacam também dificuldades fiscais associadas a dívidas nacionais muitas vezes insustentáveis e necessitam de maior financiamento para a transição energética, adaptação e perdas e danos, ainda segundo o Ecco.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use