/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

BID quer financiar projetos de energia no Brasil, diz Haddad

Ministro da Fazenda falou com mídia após reunião em Davos

SÃO PAULO, 28 fevereiro 2023, 11:45

Redação ANSA

ANSACheck

Haddad teve reunião com Goldfajn nesta segunda-feira em Davos © ANSA/EPA

(ANSA) - O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta segunda-feira (16) que o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) está disposto a financiar projetos de energia, públicos ou privados, no Brasil.

O político está em Davos, na Suíça, para participar do Fórum Econômico Mundial e ter reuniões bilaterais, como o encontro ocorrido hoje com o presidente do BID, o brasileiro Ilan Goldfajn.

"Eu tive a grata satisfação de encontrar com o brasileiro que preside o BID, que se colocou a disposição para financiamento no país. O Brasil está atrás de financiamento para produzir energia limpa e renovável e o BID se colocou à disposição para isso", disse aos jornalistas após a reunião.

Sobre valores, o ministro afirmou que depende de cada projeto "mas estamos sempre falando da casa de bilhões, pode ser algo entre US$ 2 bilhões e US$ 4 bilhões". Haddad ainda disse que o país "não pode perder as chances" que estão aparecendo para o setor, seja na energia eólica, solar ou no hidrogênio verde.

Durante a coletiva, o ministro foi questionado sobre as previsões negativas dos economistas em Davos, que preveem uma recessão global para 2023.

"Se o Brasil tomar as previdências que precisa, e isso precisa vir dos três poderes, como o novo arcabouço fiscal e reforma tributária no primeiro semestre, a democratização do acesso ao crédito, as parcerias público-privadas, não tem porque o Brasil não decolar", acrescentou, afirmando que a "reforma das reformas é a tributária".
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use