/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Cientistas criam embrião a partir de células-tronco humanas

Pesquisa pode ajudar no estudo de doenças genéticas

ROMA, 15 junho 2023, 12:39

Redação ANSA

ANSACheck

Embrião humano em foto de arquivo (foto: Pascal Goetgheluck/Science Photo Library) © ANSA/Pascal Goetgheluck/Science Photo Library

(ANSA) - Cientistas criaram pela primeira vez modelos de embriões humanos sintéticos em laboratório a partir de células-tronco, sem a necessidade de óvulos e espermatozoides.

Esse avanço de potencial revolucionário foi anunciado por uma equipe liderada pela bióloga Magdalena Zernicka-Goetz, professora da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), nos Estados Unidos, em um encontro da Sociedade Internacional para Pesquisa com Células-Tronco em Boston.

"Podemos criar modelos semelhantes a embriões humanos reprogramando células-tronco embrionárias", disse Zernicka-Goetz no congresso.

As estruturas obtidas pelos cientistas incluem células destinadas a formar a placenta e o saco vitelino e equivalem a um pouco além do estágio de 14 dias de desenvolvimento de um embrião natural.

Os detalhes completos da pesquisa ainda precisam ser publicados em uma revista científica, mas os autores afirmam que o estudo pode fornecer uma janela crucial para analisar doenças genéticas e causas biológicas de abortos espontâneos.

Por outro lado, esse avanço pode inspirar questionamentos éticos, legais e legislativos, embora ainda seja incerto se esses modelos de embriões poderiam se desenvolver além do estágio inicial.

Em 2022, a equipe de Zernicka-Goetz já havia anunciado o desenvolvimento de um embrião sintético de camundongo, incluindo os primórdios de órgãos como cérebro e coração, elementos que não aparecem no modelo criado a partir de células-tronco humanas. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use