/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Nobel de Física premia trio por pesquisas sobre elétrons

Laureados são Pierre Agostini, Ferenc Krausz e Anne L'Huillier

ROMA, 03 outubro 2023, 08:09

Redação ANSA

ANSACheck

Anúncio dos vencedores do Nobel de Física © ANSA/EPA

(ANSA) - O franco-americano Pierre Agostini, o austro-húngaro Ferenc Krausz e a franco-sueca Anne L'Huillier foram laureados nesta terça-feira (3) com o Prêmio Nobel de Física em 2023.

Segundo a Real Academia de Ciências da Suécia, responsável pela escolha dos vencedores, o trio foi premiado por conta de "métodos experimentais que geram pulsos de luz de atossegundos [unidade de tempo que representa um bilionésimo de um bilionésimo de segundo] para o estudo das dinâmicas do elétron [partícula de carga negativa em um átomo] na matéria".

De acordo com a instituição, as pesquisas de Agostini, Krausz e L'Huillier "deram à humanidade novas ferramentas para explorar o mundo dos elétrons dentro de átomos e moléculas" e demonstraram "uma forma de criar pulsos de luz extremamente curtos e que podem ser usados para medir os rápidos processos nos quais os elétrons se movem ou mudam a energia".

Em 1987, L'Huillier, pesquisadora da Universidade de Lund, na Suécia, descobriu que muitos tons diferentes de luz surgiam quando ela transmitia um laser infravermelho através de um gás nobre. Cada um desses tons dá aos elétrons energia extra, que é emitida como luz, fenômeno que estabeleceu as bases para avanços subsequentes.

Já em 2001, Agostini, da Universidade Estadual de Ohio, nos EUA, conseguiu produzir e investigar uma série de pulsos luminosos consecutivos, cada um deles com 250 atossegundos. Ao mesmo tempo, Krausz, do Instituto Max Planck de Ótica Quântica e da Universidade Ludwig Maximilians de Munique, na Alemanha, trabalhava em um experimento que permitia isolar um único pulso de luz com 650 atossegundos.

"Agora podemos abrir a porta para o mundo dos elétrons. A física dos atossegundos nos dá a oportunidade de compreender os mecanismos governados pelos elétrons. O próximo passo será utilizá-los", disse Eva Olsson, presidente do Comitê do Nobel de Física.

Essas técnicas podem ser usadas potencialmente para controlar como os elétrons funcionam em determinado material ou para identificar diferentes moléculas para tratamentos médicos. Os três laureados dividirão igualmente um prêmio de 11 milhões de coroas suecas, o equivalente a R$ 5 milhões.

Ganhador do Nobel de Física em 2021, o italiano Giorgio Parisi disse que os vencedores deste ano "abriram caminhos inexplorados para o conhecimento, que terão reflexos na vida de todos". (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use