/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Escritora italiana Michela Murgia revela que tem câncer avançado

Artista tem metástases no pulmões, ossos e cérebro

ROMA, 06 maio 2023, 14:55

Redação ANSA

ANSACheck

Escritora tem câncer nos rins e metástases no pulmão e ossos - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A escritora italiana Michela Murgia revelou neste sábado (6) que tem câncer renal em estágio avançado, com metástases nos pulmões, ossos e cérebro.

"A partir da quarta etapa não há como voltar atrás", declarou ela em entrevista ao jornal italiano "Corriere della Sera", lembrando que já teve câncer "em um pulmão" há alguns anos, mas era um estágio muito inicial".

Segundo Murgia, desta vez, no entanto, o câncer começou no rim, mas por causa da pandemia de Covid-19 ela havia negligenciado os exames, provocando o agravamento da doença.

A escritora explicou ainda que agora está sendo tratada com imunoterapia de base biofarmacêutica, o que não ataca a doença, mas estimula a resposta do sistema imunológico. "O objetivo não é erradicar o mal, é tarde demais, mas ganhar tempo. Meses, talvez muitos", disse ela.

Para Murgia, o câncer não é algo que ela tem, é algo que ela é, "é cúmplice da minha complexidade, não um inimigo a ser destruído". "Não posso e não quero fazer guerra ao meu corpo, a mim mesma. O câncer é um dos preços que se pode pagar para ser especial. Eu nunca o chamaria de amaldiçoado ou alienígena. Defini-lo assim seria como se sentir possuído por um demônio", acrescentou.

A escritora disse ainda que "a guerra pressupõe perdedores e vencedores" e, como já sabe o final da história, ela não se sente uma perdedora. "Tanto faz se não me sobrar muito tempo: o importante para mim agora é não morrer fascista", declara Murgia, que se define como de esquerda.

Por fim, a italiana enfatizou que não tem medo da morte, mas espera morrer somente quando Giorgia Meloni deixar de ser a primeira-ministra da Itália, porque o seu governo é fascista.

Após a publicação da entrevista, Meloni respondeu Murgia e disse que está torcendo pela recuperação da artista. "Aprendi com a longa entrevista que a escritora Michela Murgia sofre de uma doença muito grave. Nunca a conheci e nunca compartilhei suas ideias, mas quero enviar um abraço nela e dizer que estamos torcendo por ela. E eu realmente espero que ela possa ver o dia em que eu não serei mais primeira-ministra, como ela espera, porque pretendo ficar e fazer meu trabalho por muito tempo.  Força Michela", concluiu a premiê.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use