Morre Toto Cutugno, símbolo no exterior com 'L'italiano'

Artista foi internado após sofrer uma piora no seu quadro de saúde devido a uma
Artista foi internado após sofrer uma piora no seu quadro de saúde devido a uma "longa doença" (foto: ANSA)

(ANSA) - O cantor e compositor italiano Salvatore "Toto" Cutugno morreu nesta terça-feira (22), no hospital San Raffaele, em Milão, aos 80 anos, informou seu empresário Danilo Mancuso à ANSA.

O artista foi internado após sofrer uma piora no seu quadro de saúde devido a uma "longa doença". O funeral será realizado na próxima quinta (24), a partir das 11h da manhã (horário local), na Basílica Parrochia dei Santi Nereo e Achilleo, na via Argonne, número 56, em Milão.

Cutugno é conhecido principalmente pela canção "L'Italiano" (1983), que se tornou um símbolo dos cidadãos do "Belpaese" no exterior e conquistou o mundo todo, incluindo Israel, Irã e Coreia, vendendo milhões de discos.

Entre seus outros sucessos também estão "Solo noi" (1983), "Serenata" (1985), "Insieme" (1992), "Buona Notte" (1986) e "Innamorati".

Nascido em 7 de julho de 1943, o cantor é o símbolo da melodia italiana e acumula 15 participações no Festival de Sanremo, uma das principais competições musicais da Itália, com uma atuação histórica em 1990, ao lado de Ray Charles. Ao todo, ele venceu uma vez e ficou em segundo lugar em seis ocasiões.

Considerado um verdadeiro "showman", capaz de passar com extrema facilidade de compositor a apresentador de televisão - em 1987 esteve à frente de uma edição de sucesso de "Domenica In" -, Cutugno era toscano, mas foi criado na Ligúria.

Com menos de 20 anos, ele fundou o grupo "Toto e i Tati", propondo suas canções ao vivo. Em 1975, se tornou um grande sucesso na França e, no ano seguinte, estreou em Sanremo.

''Deixe-me cantar com o violão na mão, deixe-me cantar, sou italiano'', é o slogan que defendeu por toda sua carreira.

Em 2019, Cutugno provocou polêmica e chegou a ser proibido de entrar na Ucrânia por suas supostas posições pró-russas. Na ocasião, um grupo de deputados alegou que o italiano era "um membro da associação Amigos de Putin e apoiou a anexação da Criméia".

Além disso, ele foi classificado como "agente de apoio à guerra da Rússia na Ucrânia. O italiano, no entanto, disse ter ficado "surpreso e preocupado", declarando-se sempre distante da política: "Sou apolítico".

Já em 2021, ele teve o prazer de passar o bastão ao Maneskin durante o Festival Eurovision, após ter vencido a competição europeia em 1990. 

Reações 

A primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni, lamentou a morte do cantor e compositor Salvatore “Toto” Cutugno, um dos símbolos no exterior com a canção “L’Italiano”.

“Tchau a Toto Cutugno, um verdadeiro italiano”, escreveu a premiê em uma publicação no Twitter, junto com uma foto do italiano.

Por sua vez, o ministro da Cultura da Itália, Gennaro Sangiuliano, expressou proximidade aos familiares e a todas pessoas mais próximas a ele neste momento doloroso.

“Com a morte de Toto Cutugno, o mundo da música perde um intérprete popular e importante. Um artista, com orgulho de ser italiano, apreciado também no exterior, cujos sucessos foram a trilha sonora de uma época”, lamentou.

Já a italiana Laura Pausini afirmou que “Toto Cutugno era um artista, um homem e um bom e gentil italiano". "Tenho muitas lembranças associadas a ele e lamento sinceramente seu falecimento. Um abraço à sua família e aos seus fãs de todo o mundo”, enfatizou. (ANSA)