/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

'Em vez de armas, livros': Brasil leva literatura ao mundo

Ação é fruto de convênio entre a Biblioteca Nacional e a Marinha

SÃO PAULO, 17 setembro 2023, 09:37

Redação ANSA

ANSACheck

Acervo geral da Biblioteca Nacional (Foto: Fundação Biblioteca Nacional) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

A Marinha do Brasil iniciou um projeto para distribuir milhares de livros brasileiros pelo mundo, em uma iniciativa de soft power que tem a Itália como um de seus destinos.

A ação é fruto de um convênio com a Biblioteca Nacional, entidade presidida pelo ítalo-brasileiro Marco Lucchesi, que se inspirou em um acordo semelhante da época em que ele comandava a Academia Brasileira de Letras (ABL), entre 2018 e 2021.

"Colocamos em ação esse soft power para promover a troca de experiências, de leituras e de diálogos entre instituições. Em vez de armas, livros", diz Lucchesi em entrevista à ANSA. "Para onde a Marinha for, os livros irão automaticamente", acrescenta.

O protocolo foi assinado em março, mas as remessas começaram em agosto, e o objetivo da Biblioteca Nacional é distribuir cerca de 10 mil livros brasileiros pelo mundo neste semestre.

"A Marinha nos deu uma longa fila de países por onde ia passar, e a partir de agosto começamos a expedir esses livros. A primeira remessa que eu tive informação chegou a Cabo Verde", afirma Lucchesi.

A lista de destinos nessa primeira leva do projeto também inclui países como Alemanha, Colômbia, Espanha, Estados Unidos, França, Inglaterra, Itália, Portugal e São Tomé e Príncipe. "A ideia é criar uma espécie de rotina para o envio de nossos livros", ressalta o presidente da Biblioteca Nacional, que será informada sobre as rotas internacionais da Marinha a cada seis meses.

Na Itália, o destino será a cidade de Nápoles, onde um navio ficará ancorado entre 26 e 30 de outubro. Os livros serão endereçados a 12 instituições de nove cidades, incluindo a Abadia de Montecassino, a Biblioteca Apostólica Vaticana, as bibliotecas nacionais Vittorio Emanuele III, em Nápoles, e de Florença, o Ministério da Cultura e universidades em Pádua e Milão.

A lista está sempre sujeita a acréscimos, mas o pacote destinado à Itália inclui ao menos 53 títulos que cobrem da literatura à psicanálise, passando também por temas como história do Brasil, filosofia, natureza, música, artes plásticas e a vida no Rio de Janeiro, sede da Biblioteca Nacional.

Paralelamente, a entidade enviará em outubro 700 livros para a Estação Comandante Ferraz, base brasileira na Antártida.

"Levaremos o calor da cultura brasileira para toda aquela solidão glacial", diz o presidente da instituição.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use