/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Inflação na zona do euro desacelera para 6,1% em maio

Apesar disso, BCE disse que ainda não está satisfeito

BRUXELAS, 01 junho 2023, 12:41

Redação ANSA

ANSACheck

Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu © ANSA/EPA

(ANSA) - A inflação na zona do euro fechou o mês de maio em 6,1%, de acordo com a estimativa "flash" divulgada nesta quinta-feira (1º) pelo Gabinete de Estatística da União Europeia (Eurostat).

O índice, que ainda não é definitivo, representa uma desaceleração significativa em relação aos 7% registrados em abril.

Entre os componentes principais, o de alimentos, álcool e tabaco teve a maior inflação (12,5%, contra 13,5% de abril), enquanto energia está no extremo oposto, com deflação de 1,7% (contra alta de 2,4% em abril).

"Não podemos dizer que já estamos satisfeitos com as estimativas de inflação, mas teremos novas projeções em 15 de junho, que nos darão uma foto atualizada", disse Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu (BCE).

A instituição vem promovendo seguidos aumentos nos juros para devolver a inflação à meta de 2% ao ano e prevê ainda novos apertos monetários em 2023. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use