/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Inundações podem desacelerar economia italiana

Enchentes deixaram rastro de danos e mortes na Emilia-Romagna

ROMA, 06 junho 2023, 10:03

Redação ANSA

ANSACheck

Inundação em Lugo, na região da Emilia-Romagna - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - Com resultados acima do esperado no início do ano, a economia da Itália pode sofrer uma desaceleração devido aos efeitos das inundações que mataram 15 pessoas na Emilia-Romagna em maio passado.

A região é um importante polo produtivo do país, especialmente no setor agrícola, um dos mais afetados pelas enchentes, com plantações inteiras destruídas pela água.

"Um novo fator de risco pode vir das consequências econômicas, sobretudo no setor agrícola, da recente onda de mau tempo que provocou efeitos dramáticos na Emilia-Romagna", diz um relatório divulgado nesta terça-feira (6) pelo Instituto Nacional de Estatística (Istat).

O documento também cita riscos ligados à desaceleração da demanda mundial, que deve afetar as importações italianas, e as incertezas geradas pela continuação da guerra na Ucrânia.

Ainda assim, o Istat projeta um crescimento de 1,2% para a economia italiana em 2023 e de 1,1% em 2024 - no primeiro trimestre deste ano, a alta foi de 0,6%. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use