/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Venezuela vai permitir exportação de gás pela italiana ENI

Autorização deve ser oficializada no próximo mês de junho

CARACAS, 16 maio 2023, 11:00

Redação ANSA

ANSACheck

Sede da empresa italiana ENI, em Roma - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - O governo do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, prevê emitir no próximo mês de junho as licenças para que as multinacionais ENI, da Itália, e Repsol, da Espanha, possam exportar gás natural liquefeito (GNL) para os mercados europeus.

Pedro Tellechea, ministro do Petróleo e presidente da estatal PDVSA, confirmou que a negociação para as autorizações vão terminar já "nos próximos dias".

"ENI e Repsol estão interessadas em crescer no setor de gás na Venezuela e esperavam havia sete anos a permissão para exportação de GNL. A data de início das exportações dependerá da velocidade do investimento", acrescentou Tellechea.

Tanto a ENI quanto a Repsol possuem uma licença emitida pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unido para exportar produtos para a Europa como forma de compensar as dívidas da PDVSA com ambas as empresas, mas desde que isso não gere dividendos para a estatal da Venezuela, que é alvo de sanções americanas.

Desde o início da guerra na Ucrânia, os países europeus têm buscado diversificar suas fontes de gás natural para reduzir sua dependência energética em relação à Rússia. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use