Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Príncipe Harry vence caso contra tabloide por grampo em telefone

LONDRES, 15 dezembro 2023, 10:22

Redação ANSA

ANSACheck

Harry foi primeiro membro da realeza britânica a ir em julgamento © ANSA/EPA

(ANSA) - Um juiz da Suprema Corte de Londres condenou nesta sexta-feira (15) a Mirror Group Newspapers (MGN), editora dos tabloides "Daily Mirror", "Sunday Mirror" e "Sunday People", em uma ação aberta pelo príncipe Harry.

O esposo da ex-atriz americana Meghan Markle acusa as publicações de terem "recolhido ilegalmente informações" em relação a 33 histórias escritas ao longo dos anos sobre a sua vida privada, após grampear seu telefone entre 2006 e 2011.

A condenação foi feita pelo juiz Timothy Fancourt, que concluiu que a editora deve pagar uma indenização de 140,6 mil libras para Harry, o primeiro membro da família real britânica a comparecer como testemunha no tribunal em 130 anos no julgamento de junho.

O magistrado acusou o tabloide de ter recorrido a escutas telefônicas ilegítimas a partir de 1995 e 1996, quando o segundo filho do rei Charles III e Diana tinha apenas 11-12 anos, e depois "extensa e habitualmente" após 1998.

Além disso, afirmou que a editora MGN encobriu essas práticas e acusou abertamente o ex-CEO Sly Bailey de ter "fechado os olhos" aos abusos e violações de privacidade atribuídos a diretores, repórteres ou redações.

Piers Morgan, ex-diretor do Mirror e atual apresentador da Talk TV, emissora do grupo Murdoch, protagonista de polêmicas venenosas contra Harry e Meghan, também esteve envolvido.

Durante a audiência, a defesa dos jornais negou o mérito das acusações como sendo "resultado de inferências" ou em qualquer caso "tardias". Mas Fancourt reconheceu como "provada" a recolha ilegal de informações sobre o príncipe em pelo menos 15 dos 33 artigos denunciados.

Após a decisão, a MGN emitiu uma breve nota na qual "pede desculpas sem reservas pelos casos em que ocorreram atos ilícitos" definidos como "históricos - e, portanto não relacionados ao comportamento atual, segundo a empresa -, assumindo "total responsabilidade" e garantindo que ele já autorizou o pagamento da "compensação adequada".

Por sua vez, o príncipe Harry disse estar feliz por "matar o dragão" após sua vitória na justiça britânica contra o editor do Daily Mirror. "À luz da vitória de hoje e da importância de fazer o que é necessário para uma imprensa livre e honesta, é um preço que vale a pena pagar", afirmou ele em mensagem lida por seu advogado David Sherborne.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use

Último momento

404 Not Found

404 Not Found


nginx