/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Reforma da previdência vai seguir, diz Macron em pronunciamento

Presidente diz que protestos são legítimos, mas não violência

PARIS, 22 março 2023, 10:12

Redação ANSA

ANSACheck

Macron fez pronunciamento nacional pela televisão © ANSA/EPA

(ANSA) - O presidente da França, Emmanuel Macron, faz um pronunciamento à nação nesta quarta-feira (22) sobre a reforma da previdência e a derrota das moções de desconfiança ao governo e ressaltou que a mudança "seguirá seu caminho".

"Precisamos andar adiante, a reforma está no interesse superior da nação", disse ainda.

Segundo Macron, "no momento em que estou falando com vocês, vocês acham que eu gosto dessa reforma? A resposta é não". "Poderia ter colocado o problema embaixo do tapete, como muitos antes de mim fizeram, claro que sim. Mas a reforma não é um luxo, é necessária para voltar a dar equilíbrio para o sistema", acrescentou.

Sobre as manifestações ocorridas nos últimos dias, especialmente desde que a premiê Elisabeth Borne anunciou a ativação de uma cláusula constitucional que aprovava a reforma sem passar pela análise tradicional do Parlamento, Macron disse que as "respeita", mas condenou a violência.

"Quando os sindicatos se manifestam, eles têm a legitimidade, quando organizam os cortejos, que são contrários a essa reforma, eu os respeito. Mas, não podemos aceitar a violência porque não estamos contentes com alguma coisa", pontuou.

Durante seu pronunciamento, o presidente ainda afirmou que "vai retomar as discussões com os parceiros sociais" e que isso será feito "nas próximas semanas". Além disso, prometeu que o governo "vai agir para um retorno à normalidade" e que "não tolerará nenhum excesso".

A reforma da previdência de Macron adia a idade de aposentadoria dos 62 para os 64 anos até 2030 e antecipa para 2027 a exigência de contribuição por 43 anos - ante 42 atualmente - para receber a aposentadoria de forma integral.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use