/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Bolsonaro é alvo de operação da PF e tem celular apreendido

Cartão de vacinação do ex-presidente teria sido falsificado

SÃO PAULO, 04 maio 2023, 14:09

Redação ANSA

ANSACheck

Ex-presidente Bolsonaro é alvo de inquérito da PF © ANSA/EPA

(ANSA) - O ex-presidente Jair Bolsonaro foi alvo nesta quarta-feira (3) de uma operação da Polícia Federal que apura supostas fraudes em cartões de vacinação contra a Covid-19.

Ao todo, a PF cumpriu seis mandados de prisão preventiva e 16 de busca e apreensão em Brasília e no Rio de Janeiro.

Entre os detidos estão o tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, o secretário municipal de Governo de Duque de Caxias (RJ), João Carlos de Sousa Brecha, e Max Guilherme e Sérgio Cordeiro, que atuavam na segurança do ex-presidente.

Bolsonaro, por sua vez, foi alvo de um mandado de busca e apreensão em sua casa em Brasília e teve o celular apreendido.

O inquérito mira uma associação criminosa que teria inserido dados falsos de vacinação nos sistemas do Ministério da Saúde entre novembro de 2021 e dezembro de 2022, beneficiando pessoas que precisavam de certificados de imunização para entrar nos Estados Unidos.

A PF alega que o grupo queria "manter coeso o elemento identitário em relação a suas pautas ideológicas" e "sustentar o discurso voltado aos ataques à vacinação contra a Covid-19".

A suspeita é de que o próprio cartão de vacinação de Bolsonaro teria sido forjado para simular a imunização contra o novo coronavírus, assim como o de sua filha, a adolescente Laura Bolsonaro.

O ex-presidente, no entanto, garantiu que não foi vacinado contra a Covid e que não adulterou o certificado. "Não existe adulteração da minha parte, não existe. Eu não tomei a vacina, ponto final", disse. (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use