/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

TSE cassa mandato do deputado Deltan Dallagnol

Político foi procurador de processos contra Lula na Lava Jato

BRASÍLIA, 17 maio 2023, 08:20

Redação ANSA

ANSACheck

Ex-procurador violou a lei eleitoral ao renunciar à Procuradoria tendo pendências disciplinares (Foto: Cassiano Rosário/Futura Press)

(ANSA) - O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) votou por unanimidade pela cassação do mandato do deputado Deltan Dallagnol, do partido Podemos, ex-chefe dos procuradores da Operação Lava Jato.

De acordo com o TSE, o ex-procurador violou a lei eleitoral ao renunciar à Procuradoria tendo pendências disciplinares que poderiam enquadrá-lo na Lei da Ficha Limpa.

O relator do caso, juiz Benedito Gonçalves, alegou que Dallagnol "pretensamente renunciou de forma dissimulada, desrespeitando a vedação estabelecida por lei".

O TSE julgou duas ações, uma delas apresentada pela Federação Brasil da Esperança, composta por PT, PV e PCdoB.

O ex-parlamentar, que foi o mais votado no Paraná nas eleições de 2022, ficará inelegível por oito anos.

"Meu sentimento é de indignação diante da vingança sem precedentes que está em curso no Brasil contra os agentes da lei que ousaram combater a corrupção", afirmou Dallagnol.

"Mas nenhum obstáculo vai me impedir de continuar lutando pelo meu propósito de vida, que é servir a Deus e ao povo brasileiro", acrescentou.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use