/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

É difícil 'estimar prejuízos', diz Meloni na Emilia-Romagna

ROMA, 21 maio 2023, 13:53

Redação ANSA

ANSACheck

Meloni foi para a província de Ravenna neste domingo - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A premiê italiana, Giorgia Meloni, visitou cidades afetadas pelas fortes chuvas na Emilia-Romagna neste domingo (21) e afirmou que está "comovida" com o que viu e que é "difícil estimar" os prejuízos provocados pela onda de mau tempo na região.

"O governo está aqui. Foi uma tragédia, mas é uma ocasião para renascer mais fortes. É difícil fazer estimativas, mas vamos mobilizar muitos recursos. Agora, a nossa missão, com o trabalho incrível da Defesa Civil, das forças de ordem, das forças armadas, é dar respostas imediatas", disse aos jornalistas.

Questionada de onde viriam aos fundos, Meloni repetiu que é "difícil fazer uma estimativa dos danos, mas sei que eles serão muito duros". "Fizemos uma primeira estimativa dos danos sobre a viabilidade, mas até que não estivermos seguros, é muito difícil", acrescentou, referindo-se que há ainda um alerta vermelho para toda a área por risco de deslizamentos.

A premiê ressaltou que sua visita serve também para "entender" quais são as necessidades mais urgentes para as cidades e não descartou usar o Fundo Europeu de Solidariedade para complementar os montantes necessários.

Além disso, a primeira-ministra elogiou o trabalho das pessoas nas cidades visitadas e também de muitos jovens voluntários que foram de outras partes da Itália para auxiliar nos serviços de limpeza e reconstrução.

Um dos compromissos da premiê foi uma reunião com líderes regionais e locais na prefeitura de Ravenna, uma das mais afetadas pelas enchentes.

Quem também participou do encontro foi o governador da Emilia-Romagna, Stefano Bonaccini, que afirmou aos jornalistas que será preciso um reembolso de 100% como aconteceu no terremoto que atingiu a região há cerca de 10 anos.

"Há pessoas que perderam tudo que estava dentro das casas e nas suas empresas. Além disso, precisamos de reconstrução material de tudo que cedeu: mais de 600 estradas e temos 300 deslizamentos ativos. A colina e a montanha não serão esquecidas. Alguns bosques inteiros deslizaram", acrescentou.

A Emilia-Romagna ainda contabiliza milhares de desabrigados - um último boletim neste domingo apontou 26,5 mil desabrigados, em número que chegou a bater 36,6 mil - e mantém alertas para riscos de deslizamento porque ainda há previsão de chuvas para hoje e segunda-feira (22).
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use