/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Itália vai eliminar palavra 'raça' de documentos oficiais

Emenda teve apoio do governo e da oposição

ROMA, 30 maio 2023, 11:39

Redação ANSA

ANSACheck

Plenário da Câmara dos Deputados da Itália, em Roma - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A Comissão de Constituição e Trabalho da Câmara dos Deputados da Itália aprovou nesta terça-feira (30) uma emenda que proíbe o uso da palavra "raça" em documentos da administração pública.

A proposta foi apresentada pelo deputado Arturo Scotto, do Partido Democrático (PD), de oposição, mas também teve o apoio do governo de Giorgia Meloni. De acordo com o texto, o termo "raça" será substituído por "nacionalidade".

"Finalmente a palavra raça vai desaparecer de todos os atos e documentos do setor público. Eliminamos um conceito anticientífico, fazendo uma varredura contra frases graves sobre raças, linhagens, etnias", comemorou Scotto.

Essa palavra aparece no artigo 3 da Constituição italiana, que diz que "todos os cidadãos são iguais perante a lei, sem distinção de sexo, de raça, de língua, de religião, de opiniões políticas, de condições pessoais e sociais".

"Embora não seja utilizado há tempos e seja citado na Constituição, [o termo 'raça'] é um conceito que não está em linha com nossos tempos e pode parecer discriminatório contra alguns", reforçou o deputado Paolo Emilio Russo, do partido conservador Força Itália (FI). (ANSA)

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use