/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

EUA proíbem entrada de ex-presidente do Panamá

Juan Carlos Varela é acusado de lavagem de dinheiro de corrupção

WASHINGTON, 14 julho 2023, 11:33

Redação ANSA

ANSACheck

Ex-presidente do Panamá é acusado de corrupção © ANSA/EPA

(ANSA) - Os Estados Unidos proibiram a entrada do ex-presidente do Panamá Juan Carlos Varela em território americano.

"Como vice-presidente (2009-2014) e depois presidente (2014-2019), Varela aceitou propina em troca da concessão irregular de contratos do governo", diz um comunicado do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, que também lembra que o panamenho é acusado de "participação em notável corrupção".

"A decisão reafirma o compromisso dos EUA em combater a corrupção endêmica no Panamá. Os cidadãos confiam em quem os representa. A corrupção injustamente priva as pessoas de serviços públicos de qualidade. Se não for enfrentada, continuará a deprimir a prosperidade do país, enfraquecer sua democracia e impedi-lo de atingir todo o seu potencial", acrescenta a nota.

Juan Carlos Varela e seu predecessor, Ricardo Martinelli, respondem a um processo, desde 2022, por suposta lavagem de dinheiro de propinas.

Os recursos irregulares seriam originários da empreiteira brasileira Odebrecht e resultaram num escândalo nacional de corrupção. O partido do ex-presidente é acusado de ter recebido US$ 10 milhões (R$ 47,9 milhões) da Odebrecht, mas ele afirma ser inocente.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use