/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Candidata à presidência do Equador denuncia suposto ataque

Luisa González pediu ao MP para participar de investigação

QUITO, 19 setembro 2023, 14:01

Redação ANSA

ANSACheck

Luisa González denunciou suposto ataque frustrado em 30 de agosto © ANSA/EPA

(ANSA) - A candidata à presidência do Equador Luisa González apresentou nesta terça-feira (19) uma denúncia ao Ministério Público (MP) pela inércia nas investigações policiais e judiciarias sobre um suposto ataque contra ela, no último dia 30 de agosto.

A informação foi divulgada pelo portal de notícias local "Primicias", que acrescenta que o suposto atentado, entre outras coisas, está gerando incerteza na sua campanha eleitoral e tem tornado mais complexa a organização de comícios e reuniões por medo de uma ofensiva.

Segundo a publicação, o partido Revolução Cidadã, legenda de esquerda fundada e liderada pelo ex-presidente Rafael Correa, revelou ter descoberto no mês passado um plano de ataque à candidata, mas as autoridades agiram a tempo e frustraram o crime.

González explicou que várias pessoas foram detidas em posse de armas e drogas, sendo que uma delas teria confessado que carregava em sua mochila três granadas, cujo objetivo era detoná-las em meio a um grupo político do partido.

Desta forma, ela precisou aceitar escolta das Forças Armadas e decidiu usar colete à prova de balas.

Acompanhada de seu companheiro de chapa, Andrés Arauz, e de um grupo de militantes, a candidata equatoriana apresentou uma denúncia formal ao MP e instou o órgão a realizar investigações oportunas.

Além disso, González pediu autorização para as autoridades para participar do inquérito, na tentativa de esclarecer "quem está por trás do ataque fracassado.

A nova denúncia chega após o candidato à presidência do Equador Fernando Villavicencio, conhecido por denunciar casos de corrupção e infiltração do narcotráfico quando era jornalista, ser assassinado no último dia 9 de agosto, em Quito.

O segundo turno das eleições no país está marcado para 15 de outubro, e as pesquisas apontam uma disputa acirrada entre González e o conservador Daniel Noboa.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use