/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Premiê da Itália descarta possibilidade de reforma ministerial

Em entrevista, Meloni disse ser vítima de mentiras e misoginia

ROMA, 04 novembro 2023, 11:51

Redação ANSA

ANSACheck

Meloni em comemoração do Dia da Unidade Nacional - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

(ANSA) - A primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni, descartou a possibilidade de uma reforma no Conselho dos Ministros até o fim da legislatura.

A declaração foi dada em entrevista ao livro "Il rancore e la speranza" (O rancor e a esperança, em tradução livre), de Bruno Vespa, que será lançado no próximo dia 8 de novembro pela editora Mondadori-Rai Libri, e faz um retrato da Itália do pós-guerra ao atual governo.

No texto, o jornalista pergunta se ela sente vontade de remodelar o conselho.

"Nunca. Quero bater um novo recorde: terminar a legislatura com o mesmo governo com o qual comecei. Seria a primeira vez na história republicana. [Silvio] Berlusconi ficou no Palazzo Chigi por cinco anos, mas com dois governos diferentes. Realizar uma visão requer tempo. Tenho orgulho de ter o tempo necessário", declarou a premiê.

A resposta também é uma defesa à proposta de reforma constitucional recém-aprovada pelo governo italiano, que prevê eleições diretas para o cargo de primeiro-ministro, para mandatos de cinco anos.

Na mesma entrevista, Meloni diz não ser "chantageável": "Eu não sinto de forma alguma a dimensão do assédio. É a narrativa que é feita sobre mim. Eu sei que existem inimigos dispostos a fazer qualquer coisa para me derrubar, mas eles não me assustam".

"Como eu disse no início do meu mandato, não sou suscetível a chantagem. Mas entendo que isso seja um problema para certos grupos de poder que controlaram a Itália por muito tempo", disse.

Ela também disse considerar ser vítima de "misóginos": "O que me surpreende é a total invenção de brigas com meus aliados de governo. Li citações minhas nas quais insulto [Matteo] Salvini [vice-premiê] que não só nunca foram pronunciadas, mas nem mesmo pensadas. Quando leio trechos na imprensa com Matteo e Antonio Tajani [vice-premiê], ficamos perplexos".

"Entendo que alguns jornais queiram nos tirar do poder: é legítimo, claro. O que não é aceitável e vai contra qualquer ética é atribuir entre aspas coisas que nunca foram ditas ou pensadas", reclamou.

"Há misóginos incorrigíveis. Eles tentam sustentar a tese de que a mente de uma mulher não pode suportar a pressão. Como aqueles legisladores que, até algumas décadas atrás, acreditavam que as mulheres não podiam se tornar magistradas porque, quando estão menstruadas, não pensam com clareza", disse a premiê.
   
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Veja também

Ou use