/ricerca/brasil/search.shtml?any=
Mostre menos

Se hai scelto di non accettare i cookie di profilazione e tracciamento, puoi aderire all’abbonamento "Consentless" a un costo molto accessibile, oppure scegliere un altro abbonamento per accedere ad ANSA.it.

Ti invitiamo a leggere le Condizioni Generali di Servizio, la Cookie Policy e l'Informativa Privacy.

Puoi leggere tutti i titoli di ANSA.it
e 10 contenuti ogni 30 giorni
a €16,99/anno

  • Servizio equivalente a quello accessibile prestando il consenso ai cookie di profilazione pubblicitaria e tracciamento
  • Durata annuale (senza rinnovo automatico)
  • Un pop-up ti avvertirà che hai raggiunto i contenuti consentiti in 30 giorni (potrai continuare a vedere tutti i titoli del sito, ma per aprire altri contenuti dovrai attendere il successivo periodo di 30 giorni)
  • Pubblicità presente ma non profilata o gestibile mediante il pannello delle preferenze
  • Iscrizione alle Newsletter tematiche curate dalle redazioni ANSA.


Per accedere senza limiti a tutti i contenuti di ANSA.it

Scegli il piano di abbonamento più adatto alle tue esigenze.

Argentina começa virada; Bolsa de Valores dispara

Papa liga para Milei e sindicatos entram em compasso de guerra

BUENOS AIRES, 21 novembro 2023, 17:26

Redação ANSA

ANSACheck

Second round of presidential elections in Argentina © ANSA/EPA

Na Argentina, começou a transição do peronismo progressista de Alberto Fernández para o ultraliberalismo de direita de Javier Milei, que foi acompanhada por uma ligação de felicitações do Papa Francisco - apesar dos ataques durante a campanha eleitoral.

O Merval - a bolsa de Buenos Aires, fechada na segunda-feira por conta de um feriado - comemorou com um aumento de 20% diante da confirmação das iminentes privatizações, e o dólar paralelo, o chamado "dólar blue", ultrapassou a marca de 10%, sendo negociado a mais de 1.050 pesos, em uma corrida para adquirir a moeda dos EUA com medo de novas desvalorizações, enquanto os sindicatos anunciavam um 'dezembro quente'.

O primeiro encontro entre Fernández e Milei começou às 8h30. Fontes oficiais o descreveram como uma reunião "cordial", que durou pouco menos de duas horas e meia, antes da abertura dos mercados.

Imortalizado em uma foto em que os dois líderes parecem atônitos e distantes no fundo do parque da residência presidencial - a Quinta de Olivos -, o encontro serviu para coordenar equipes e programação para uma transição organizada entre os dois governos até 10 de dezembro, data da posse do novo governo.

No entanto, o destaque do dia para o presidente eleito foi a ligação do Papa. Bergoglio ligou de surpresa, enquanto Milei estava gravando uma entrevista na TV.

Durante a conversa de aproximadamente 8 minutos, o novo chefe de Estado convidou o Papa a visitar a Argentina.

Em seguida, houve uma troca de piadas, com o Papa recomendando que Milei agisse com "coragem e sabedoria" ao enfrentar os graves problemas do país. O novo ocupante da Casa Rosada respondeu: "Coragem não me falta, estou trabalhando na sabedoria".

Poucas horas antes, no trajeto do seu quartel-general ao Hotel Libertador em direção a Olivos, o presidente eleito, aclamado pelas crianças de um ônibus escolar, fez o carro parar e desceu para cumprimentar.

"Milei, eu te amo", gritaram para ele. No entanto, dias difíceis aguardam o novo presidente, ainda ocupado completando as vagas do seu gabinete.

A perspectiva de novas desvalorizações e sacrifícios aumenta o risco de uma revolta social. Os sindicatos de esquerda e os movimentos dos "piqueteros" estão prontos para a guerra.

"Vamos para as ruas", alertou Juan Carlos Alderete, coordenador-geral da Corriente Clasista y Combativa, que trabalha por uma articulação sólida entre as organizações. "Será uma aliança muito forte", prometeu.

Segundo o ex-presidente Mauricio Macri, o diretor oculto da vitória do líder da Libertad Avanza, o novo governo tem "seis meses para estabilizar" o país. "Seis meses muito difíceis. Milei sabe disso", comentou.

E mostrando sua lista de prioridades, o representante da direita indicou a necessidade de "um choque fiscal e uma redução significativa dos gastos". Isso enquanto o presidente eleito, nas últimas horas, anunciava uma certa gradualidade, talvez para se proteger de um descontentamento excessivo da população.

Enquanto o Merval replicava a euforia de Wall Street nos títulos argentinos, com a empresa petrolífera estatal YPF registrando um novo aumento de 33% no início da sessão, Pequim enviou sua mensagem para Buenos Aires: "Seria um erro grave interromper os laços com parceiros importantes como a China ou o Brasil".

Enquanto isso, Lula, preocupado com os possíveis movimentos do futuro vizinho, ligou para a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, pressionando para fechar o acordo comercial UE-Mercosul sob sua presidência, até 7 de dezembro, antes da chegada de Milei à Casa Rosada.
   

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © Copyright ANSA

Imperdíveis

Compartilhar

Ou use